Login Fórum Exploração Suportes&Res Fundamentos Notícias Dados MetaStock Cursos
IBOV DJIA INDFUT ITUB4 VALE3 BBDC4 ABEV3 PETR4 ITSA4 SULA11 SAPR4 MRVE3 ABCB4 ALUP11 SBSP3 CPLE6
Para assinar um de nossos boletins basta clicar aqui


CPLE6 - Gráficos e análise técnica projecao.com
Fundamentus Guia Invest Grafico Bussola
CPLE6: COPEL PNB
Suportes   20.59   20.40   20.19   19.84   19.32   17.86   16.36
Resistências   23.03   23.15   23.29   23.48   24.29   24.42   24.56
Sup. dólar   5.33   5.11   5.10   5.00   4.96   4.85   4.84
Res. dólar   5.68   5.82   5.90   5.97   6.08   6.20   6.21
Data Última Abertura Máxima Mínima PMédio
16/07/2018 - 17:52 20,9 21,32 21,41 20,84 20,98
  Data Bal. P/L P/VPA Div./PL DívLiq/EBIT LC Marg.Liq.
Fundamentos  31/03/2018  6.11  0.38  67%  3.78  1,02  
  Fator Baixa Contratos Baixa Fator Alta Contratos Alta  
Hedge   0.90   0.58   0.94   0.61  

Real: O ativo caiu no pregão de hoje, encerrando próximo a mínima do dia. Não tenho opinião sobre o papel.

Dólar: Encerrando próximos a mínima do dia, os preços caíram cortando o suporte a US$ 5.56 no pregão de hoje. Caso a linha -D- (Valor:US$ 5.80. Start:US$ 6.02) seja quebrada para cima, será indicado a formação de uma posição COMPRADA com 1/3 das posições desejadas.

Caso você queira contribuir com o desenvolvimento e manutenção de nosso fórum, entre no endereço abaixo e escolha um valor a partir de R$ 1,00 / mês.
http://www.projecao.com/apoia-se.htm


(20180716) - Comunicando.

"A carga de energia do sistema interligado deve avançar 4,3 por cento em julho na comparação com o mesmo período do ano passado, projetou nesta sexta-feira o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), em relatório semanal, elevando previsão anterior de alta de 3,7 por cento." (Fonte: Reuters)

(20180704) - Pelo visto a receita das empresas do setor de energia está aumentando de forma real.

"O aumento na conta de luz deste ano deve atingir uma média de 14% no país, acima do esperado por analistas, adicionando 0,5 ponto percentual à inflação medida pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) em 2018." (Fonte: Folha)

(20180702) - Comunicando.

"A Copel revisou o cronograma da usina Colíder. O empreendimento está em fase final de instalação e comissionamento e adicionará 300MW à carteira da Copel GeT, segundo fato relevante divulgado pela companhia. A Copel anunciou também que as obras para a construção da linha de transmissão Araraquara II — Taubaté foram 100% concluídas; empresa aguarda autorização da ONS. O empreendimento representa aumento de 334 Km de linhas de transmissão e irá adicionar uma receita anual permitida de R$ 29,8 milhões para a Copel GeT." (Fonte: Infomoney)


Análise confeccionada para o dia 17/07/2018



Gráfico Diário em Real de CPLE6

(Clique na imagem para amplia-la ou reduzi-la, linhas e estudos atualizados quinzenalmente)



Gráfico Diário em Dólar de CPLE6

(Clique na imagem para amplia-la ou reduzi-la, linhas e estudos atualizados quinzenalmente)



Analista Responsável: Ricardo Borges Mestre em Economia Empresarial pela UCAM, MBA em Marketing pela FGV, Graduado em Economia pela UCAM, tendo participado, em 2009 na Columbia University of New York, das palestras sobre "Managing Macroeconomic Risk in Emerging Markets", ex-consultor (2003) e analista de mercado (2008) credenciado pela CVM, tendo certificado CNPI desde maio/2008 e passado nas provas CB, CG1, CG2 e CG3, sócio fundador da ANAT, membro da APIMEC, exercendo a profissão de consultor em renda variável desde 1988, operador de mesa de renda variável desde 1992 e diretor da Projeção Consultoria Financeira Ltda. desde 1992, ministra aulas voltadas para investidores e trader's desde 2000 (introdutório, análise técnica, análise fundamentalista e derivativos).

Aviso: Aviso: O analista declara: I. que suas recomendações refletem única e exclusivamente suas opiniões pessoais, e que foram elaboradas de forma independente, inclusive em relação à instituição à qual está vinculado;

O analista, avisa a todos que aplicações em mercados de ações, commodities e seus derivativos tem um elevado risco, portanto o presente relatório é distribuído com o objetivo de prover informações e não representa, em nenhuma hipótese, uma oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer instrumento financeiro, bem como sugestão de investimento.

As opiniões contidas neste relatório foram elaboradas de forma independente, baseadas em estudos gráficos, estatísticos, matemáticos, julgamentos, expectativas, estimativas, notícias e etc e, portanto, estão sujeitas a erros e mudança e impossibilitando garantir que sejam precisas, corretas e completas.

É de exclusiva e total responsabilidade do usuário/investidor a utilização das informações contidas neste relatório bem como a estratégia de investimentos e, dessa forma, o usuário/investidor não poderá pleitear qualquer tipo de indenização por parte do analista. As informações contidas neste relatório são consideradas confiáveis na data de sua publicação porém, o Analista se reserva o direito de, a qualquer tempo e sem aviso prévio, alterar estas informações.

As informações, opiniões, estimativas e projeções contidas neste documento referem-se à data presente e estão sujeitas à mudanças, não implicando necessariamente na obrigação de qualquer comunicação no sentido de atualização ou revisão com respeito a tal mudança.

Repetindo e lembrando: o analista não se compromete que os investidores obtenham lucro, nem terá qualquer responsabilidade em caso de perdas, diretas ou indiretas, como conseqüência do uso deste documento. As informações contidas neste relatório podem não ser apropriadas para o perfil de investimento do destinatário. Os investimentos envolvem riscos e os investidores devem ter prudência ao tomar suas decisões pessoais e não devem substituir seus próprios julgamentos por aqueles previstos nesse documento..

Esse relatório não pode ser reproduzido ou redistribuído a qualquer pessoa, no todo ou em parte, para qualquer propósito, sem a prévia autorização por escrito da projecao.com, e esta não se responsabiliza pela atuação contrária ao aqui disposto por parte de terceiros.





ELÉTRICAS - (16/07/2018) - Comunicando.

"A carga de energia do sistema interligado deve avançar 4,3 por cento em julho na comparação com o mesmo período do ano passado, projetou nesta sexta-feira o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), em relatório semanal, elevando previsão anterior de alta de 3,7 por cento." (Fonte: Reuters)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
https://br.reuters.com/article/businessNews/idBRKBN1K32OZ-OBRBS







ELÉTRICAS - (04/07/2018) - Pelo visto a receita das empresas do setor de energia está aumentando de forma real.

"O aumento na conta de luz deste ano deve atingir uma média de 14% no país, acima do esperado por analistas, adicionando 0,5 ponto percentual à inflação medida pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) em 2018." (Fonte: Folha)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2018/07/conta-de-luz-mais-cara-deve-elevar-inflacao-em-05-ponto.shtml







COPEL - (02/07/2018) - Comunicando.

"A Copel revisou o cronograma da usina Colíder. O empreendimento está em fase final de instalação e comissionamento e adicionará 300MW à carteira da Copel GeT, segundo fato relevante divulgado pela companhia. A Copel anunciou também que as obras para a construção da linha de transmissão Araraquara II — Taubaté foram 100% concluídas; empresa aguarda autorização da ONS. O empreendimento representa aumento de 334 Km de linhas de transmissão e irá adicionar uma receita anual permitida de R$ 29,8 milhões para a Copel GeT." (Fonte: Infomoney)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
https://www.infomoney.com.br/mercados/acoes-e-indices/noticia/7499358/monopolio-refino-petrobras-perto-fim-freio-arrumacao-brf-mais-noticias







ELÉTRICAS - (29/06/2018) - Comunicando.

"Um leilão de concessões para a construção de novas linhas de transmissão de energia no Brasil terminou na noite desta quinta-feira com um resultado acima das mais otimistas previsões, com deságio recorde, viabilizando a construção de empreendimentos que demandarão cerca de 6 bilhões de reais. O destaque do certame foi a atuação da indiana Sterlite Power, que liderou em número de projetos arrematados e ainda ficou com o maior lote do evento. A companhia responderá sozinha por mais da metade dos investimentos viabilizados na licitação.

Apesar do desconforto com um atraso de cerca de sete horas para o início do certame, devido a uma liminar judicial, os investidores ofereceram deságios altos frente à receita máxima estabelecida pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para os projetos —muitos passaram de 50 por cento, e o maior alcançou mais de 70 por cento." (Fonte: Reuters)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
https://br.reuters.com/article/businessNews/idBRKBN1JP036-OBRBS







COPEL - (20/06/2018) -

Como já havia falado, os papeis da empresa estão bastante interessantes para se acompanhar e adquirir em momentos de correção técnica dos preços para quem deseja retorno em lucro. O P/L de 6,17 e o P/VPA de 0,38 (Fonte: Fundamentus) indicam uma ação barata e os Dívida Bruta / Pat Líq em 67% e a Dívida Liq / Ebit em 3.78 mostram que a empresa não está alavancada.



"A Copel registrou lucro líquido atribuível aos sócios controladores de R$ 339,6 milhões no primeiro trimestre de 2018, 18,6% menor na comparação com os R$ 417,3 milhões registrados no mesmo período de 2017.

A receita operacional líquida foi de R$ 3,348 bilhões, alta de 1,6% frente os R$ 3,297 bilhões na mesma base de comparação. O Ebitda foi para R$ 767,8 milhões no trimestre, queda de 23,7% ante os R$ 1,006 bilhão no mesmo período de 2017, enquanto a margem Ebitda caiu de 30,5% para 22,9%. " (Fonte: Infomoney)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
http://www.infomoney.com.br/mercados/acoes-e-indices/noticia/7422625/lucro-eletrobras-cai-mais-balancos-itau-espera-distribuir-lucro-dividendos







ELÉTRICAS - (20/06/2018) - Comunicando.

"A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou nesta terça-feira (19) um reajuste extraordinário para as tarifas de energia da Companhia Energética de Brasília (CEB). O aumento médio nas contas de luz será de 8,81% e poderá ser aplicado pela distribuidora a partir de sexta (22)" (Fonte: O Globo G1)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
https://g1.globo.com/df/distrito-federal/noticia/aneel-aprova-reajuste-extraordinario-para-tarifa-de-energia-em-brasilia-alta-media-e-de-881.ghtml







COPEL - (20/06/2018) - Comunicando.

"A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou nesta terça-feira (19) um reajuste médio de 15,99% para as tarifas de energia da Copel Distribuição, concessionária que atende os consumidores do Paraná. " (Fonte: O Globo G1)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
https://g1.globo.com/economia/noticia/tarifas-de-energia-do-parana-terao-reajuste-de-1599.ghtml







ELÉTRICAS - (19/06/2018) - Comunicando.

"Os preços mais elevados de energia no mercado de curto prazo devem beneficiar as geradoras Copel, EDP Energias do Brasil e Engie, uma vez que elas têm capacidade descontratada, segundo o UBS.

No caso das companhias Cesp, Cemig, Light e AES Tietê, o cenário seria melhor se os preços de energia recuassem. Em relatório, os analistas do UBS Marcelo Sá e Fernando Zorzi apontaram que essas empresas precisariam comprar energia no mercado à vista para cobrir a exposição ao risco hidrológico (medido pelo fator GSF, na sigla em inglês)." (Fonte: Valor Econômico)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
http://www.valor.com.br/empresas/5602465/cesp-light-e-cemig-sao-geradoras-mais-afetadas-pelo-risco-hidrologico







ELÉTRICAS - (14/06/2018) - Comunicando.

"A venda da Eletropaulo para a Enel ainda reluz nas manchetes e já existe outra grande operação de M&A em gestação no setor elétrico. O RR apurou que a chinesa State Power Investment Corporation (SPIC) costura sua entrada no capital das usinas de Santo Antônio e de Jirau, dois dos maiores projetos hidrelétricos da Amazônia. No primeiro caso, o ingresso se daria com a compra da participação da Cemig (10%) e de parte das ações em poder de Furnas, detentora de 39%. A Eletrobras, por sinal, é o ponto de interseção entre as duas operações. A porta de entrada da SPIC em Jirau seria a aquisição de um naco das ações pertencentes à Chesf e à Eletrosul, que, juntas, detêm 40% da Energia Sustentável do Brasil, consórcio controlador da hidrelétrica." (Fonte: Relatório Reservado)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
https://relatorioreservado.com.br/state-power-descarrega-bilhoes-para-ser-no-1-do-setor-de-geracao/







ELÉTRICAS - (29/05/2018) - Comunicando.

"A paralisação dos caminhoneiros, que gerou desabastecimento em diversas indústrias, impactou também o consumo de eletricidade, que chegou a ficar quase 7% abaixo do previsto inicialmente no final de semana, segundo dados do ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico)." (Fonte: Folha)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2018/05/protestos-derrubam-consumo-de-energia-eletricas-adotam-plano-de-contingencia.shtml







ELÉTRICAS - (28/05/2018) - Comunicando.

"As contas de luz dos brasileiros vão ficar mais caras em junho devido ao acionamento da chamada bandeira tarifária vermelha nível 2, o mais elevado para as cobranças adicionais relacionadas ao mecanismo, informou nesta sexta-feira (25) a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel)." (Fonte: Folha)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2018/05/conta-de-luz-tera-bandeira-vermelha-2-em-junho-nivel-mais-caro-diz-aneel.shtml







ELÉTRICAS - (21/05/2018) - Comunicando.

"O alerta está aceso no Ministério de Minas e Energia: as audiências públicas para a venda das seis distribuidoras de energia já terminaram há dois meses e até agora nem sinal de anuência do TCU para os leilões." (Fonte: Relatório Reservado)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
http://relatorioreservado.com.br/blecaute/







ELÉTRICAS - (18/05/2018) - Comunicando.

"O consumo de eletricidade no Brasil registrou alta de 3,9 por cento entre 1° e 15 de maio quando na comparação com o mesmo período do ano passado, de acordo com boletim semanal da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) nesta quinta-feira." (Fonte: Reuters)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
https://br.reuters.com/article/businessNews/idBRKCN1II2UT-OBRBS







COPEL - (16/05/2018) - Comunicando.

"A Copel registrou lucro líquido atribuível aos sócios controladores de R$ 339,6 milhões no primeiro trimestre de 2018, 18,6% menor na comparação com os R$ 417,3 milhões registrados no mesmo período de 2017.

A receita operacional líquida foi de R$ 3,348 bilhões, alta de 1,6% frente os R$ 3,297 bilhões na mesma base de comparação. O Ebitda foi para R$ 767,8 milhões no trimestre, queda de 23,7% ante os R$ 1,006 bilhão no mesmo período de 2017, enquanto a margem Ebitda caiu de 30,5% para 22,9%. " (Fonte: Infomoney)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
http://www.infomoney.com.br/mercados/acoes-e-indices/noticia/7422625/lucro-eletrobras-cai-mais-balancos-itau-espera-distribuir-lucro-dividendos







ELÉTRICAS - (16/05/2018) - Comunicando.

"A hidrelétrica de Jirau, em Rondônia, uma das maiores do Brasil, tem sofrido impactos operacionais e financeiros devido a falhas nas enormes linhas de transmissão que levam sua produção do Norte até o Sudeste, segundo um documento da Eletrobras visto pela Reuters e uma fonte ligada ao empreendimento.

Os linhões receberam mais de 6 bilhões de reais em investimentos e possuem mais de dois mil quilômetros de extensão cada, mas um deles teve uma estrutura, o eletrodo de terra, construída no local errado, o que faz o sistema de transmissão como um todo operar com limitações." (Fonte: Reuters)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
https://br.reuters.com/article/businessNews/idBRKCN1IG3AD-OBRBS







ELÉTRICAS - (14/05/2018) - Comunicando.

"Grandes hidrelétricas pediram ao governo a revisão dos contratos com o BNDES para tentar reverter perdas de ao menos R$ 1,25 bilhão em razão do aumento do juro do financiamento e à queda da inflação, que corrige os contratos de venda de energia.

Embora essas empresas tenham assumido esse risco na assinatura dos contratos, o assunto virou um problema para o governo porque elas podem repassar o aumento de custo financeiro para os lances dos próximos leilões de energia." (Fonte: Folha)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2018/05/hidreletricas-querem-rever-contrato-com-bndes.shtml







ELÉTRICAS - (10/05/2018) - Comunicando.

"Depois de consumir R$ 20 bilhões em investimentos para ser construída no Rio Madeira, em Porto Velho (RO), a hidrelétrica de Santo Antônio, a quinta maior do País, está em colapso financeiro, com “risco iminente de quebra” em razão de dívidas que não consegue quitar. As palavras são da Santo Antônio Energia (Saesa), concessionária formada por Cemig, Saag Investimentos, Odebrecht Energia, Caixa FIP Amazônia e Furnas." (Fonte: IstoÉ)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
https://www.istoedinheiro.com.br/hidreletrica-de-santo-antonio-diz-estar-em-risco-de-quebra/







ELÉTRICAS - (08/05/2018) - Comunicando.

"O governo Michel Temer está discutindo formas de baratear o custo da energia elétrica, segundo informou uma fonte à Bloomberg.

O estudo busca fazer um diagnóstico da formação do custo das tarifas de energia para eliminar excessos e rever o modelo se necessário O governo decidiu pautar o assunto porque neste mês foi acionada a bandeira amarela, que torna mais cara a energia para o consumidor.

As discussões passam por desperdício e furto de energia elétrica, o popular gato.
Segundo a pessoa, ideia é tentar baixar custo sem intervenção, mas isso não está descartado. " (Fonte: Infomoney)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
http://www.infomoney.com.br/mercados/acoes-e-indices/noticia/7409877/petrobras-lucra-magalu-tem-lucro-152-maior-mais-balancos-formula







ELÉTRICAS - (07/05/2018) - A produção de carvão diminui mais rapidamente do que o consumo, logo o preço da matéria prima está subindo, ruim para as elétricas que utilizam carvão para produzir energia.

"A guerra do mundo contra o carvão está enriquecendo os maiores produtores do produto, pelo menos por enquanto.

A Anglo American, a Glencore e a BHP Billiton estão gerando os maiores lucros em anos com suas minas de carvão. A renda das 37 produtoras de carvão acompanhadas por um índice da Bloomberg Intelligence foi a mais alta em seis anos.

Tudo é resumido pela equação mais simples dos negócios: oferta e demanda. Como governos da Ásia e da Europa estão impondo limites de poluição mais estritos, à medida que o debate sobre a mudança do clima se intensifica, a produção do combustível mais poluente do planeta está diminuindo." (Fonte: Exame)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
https://exame.abril.com.br/economia/guerra-contra-carvao-enriquece-maiores-produtores-do-mundo/







ELÉTRICAS - (03/05/2018) - Comunicando.

"O Superior Tribunal de Justiça (STJ) confirmou a legalidade do corte de fornecimento de energia elétrica para consumidores que têm débitos atrelados a ligações clandestinas, popularmente conhecidas como “gatos” na rede elétrica. " (Fonte: Exame)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
https://exame.abril.com.br/brasil/stj-confirma-corte-de-luz-para-quem-faz-gato-na-rede-eletrica/







COPEL - (18/04/2018) -

A ação está atraente com os múltiplos de P/L de 6,49 e o P/VPA de 0,44 (Fonte: Fundamentus) e NÃO está muito alavancada, Dívida Bruta / Pat Líq em 65% e a Dívida Liq / Ebit em 3.49, logo sugiro acompanhar para compras em momento de correção técnica dos preços.



"A Companhia Paranaense de Energia (Copel) reverteu prejuízo de R$ 271,1 milhões no último trimestre de 2016 e teve lucro líquido, atribuível aos sócios controladores, de R$ 160,2 milhões no quarto trimestre de 2017, segundo demonstrativos financeiros enviados à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) na noite desta quinta-feira.O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, nas iniciais em inglês) somou R$ 521,8 milhões no trimestre final de 2017, com margem de 13,3%. No último trimestre de 2016, os Ebitda ficou em 124,9 milhões, e a margem, de 3,8%.

A Copel teve lucro líquido atribuível aos controladores de R$ 1,033 bilhão em 2017, valor 24,8% superior ao lucro líquido de R$ 828 milhões em 2016. O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, nas iniciais em inglês) foi de R$ 2,878 bilhões em 2017, alta de 4,6% sobre os R$ 2,752 bilhões em 2016." (Fonte: Valor Econômico)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
http://www.valor.com.br/empresas/5449725/copel-reverte-prejuizo-de-lucra-r-160-milhoes-no-4-trimestre-de-2017







COPEL - (16/04/2018) - Comunicando.

"As demonstrações financeiras da Copel referentes ao quarto trimestre de 2017 foram alvo de uma ressalta do auditor independente, a Delloite Touche Tohmatsu. A instituição indicou, em seu relatório sobre os números da estatal paranaense de energia, que tem dúvidas sobre o correto registro de provisões relacionadas à controlada Usina Elétrica a Gás Araucária (UEG Araucária). Conforme já informou anteriormente, a Copel mantém uma investigação independente para analisar o investimento. Com base em laudos independentes obtidos, a elétrica decidiu agora constituir uma provisão para desvalorização desse investimento no montante de R$ 136,9 milhões, retroativo a 2016, resultando na reapresentação dos valores correspondentes ao exercício findo naquele exercício." (Fonte: IstoÉ)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
https://www.istoedinheiro.com.br/balanco-da-copel-e-assinado-com-ressalva-por-ajustes-relacionados-a-ueg-araucaria/







COPEL - (13/04/2018) - Comunicando.

"A Companhia Paranaense de Energia (Copel) reverteu prejuízo de R$ 271,1 milhões no último trimestre de 2016 e teve lucro líquido, atribuível aos sócios controladores, de R$ 160,2 milhões no quarto trimestre de 2017, segundo demonstrativos financeiros enviados à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) na noite desta quinta-feira.O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, nas iniciais em inglês) somou R$ 521,8 milhões no trimestre final de 2017, com margem de 13,3%. No último trimestre de 2016, os Ebitda ficou em 124,9 milhões, e a margem, de 3,8%.

A Copel teve lucro líquido atribuível aos controladores de R$ 1,033 bilhão em 2017, valor 24,8% superior ao lucro líquido de R$ 828 milhões em 2016. O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, nas iniciais em inglês) foi de R$ 2,878 bilhões em 2017, alta de 4,6% sobre os R$ 2,752 bilhões em 2016." (Fonte: Valor Econômico)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
http://www.valor.com.br/empresas/5449725/copel-reverte-prejuizo-de-lucra-r-160-milhoes-no-4-trimestre-de-2017







ELÉTRICAS - (11/04/2018) - Comunicando.

"Investidores em hidrelétricas vão buscar no Congresso Nacional uma solução mais rápida para um rombo bilionário no mercado de energia, causado por uma divergência sobre as regras do chamado “risco hidrológico” que levou empresas a uma guerra judicial contra o governo e a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) que já se estende desde meados de 2015." (Fonte: Reuters)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
https://br.reuters.com/article/businessNews/idBRKBN1HH36J-OBRBS







COPEL - (28/03/2018) - Comunicando.

"A Itaipu Binacional e a Copel firmaram parceria para a instalação de postos de abastecimento para veículos elétricos (também chamados de eletropostos) no Paraná. No total, serão instaladas dez estações de recarga em 700 quilômetros da BR-277, cortando o Estado de Leste a Oeste, entre Paranaguá e Foz do Iguaçu. Cada eletroposto terá 50 kVA (kilovoltampere) de potência, o equivalente a dez chuveiros elétricos ligados ao mesmo tempo. Também contarão com três tipos de conectores, próprios para atender os modelos de carros elétricos ou híbridos disponíveis no mercado." (Fonte: Infomoney)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
http://www.infomoney.com.br/mercados/acoes-e-indices/noticia/7350096/lucro-cpfl-dispara-263-petrobras-suspende-paralisacao-fabricas-fertilizantes-mais







ELÉTRICAS - (22/03/2018) - Comunicando.

"O Tribunal de Contas da União (TCU) concluiu que a inclusão das bandeiras tarifárias na conta de luz, que aumentam o preço da energia conforme a falta de chuvas, não tem cumprido sua missão básica: inibir o consumo. Antes disso, o que de fato tem ocorrido é o aumento da arrecadação do setor.

A hipótese já tinha sido levantada pela área técnica do tribunal no ano passado, quando decidiu analisar a cobrança extra. Pelas regras atuais, há quatro bandeiras em vigor. Na bandeira verde, não há taxa extra. A amarela custa R$ 2,00 para cada 100 quilowatts (kWh) consumidos. Esse valor sobe para R$ 3 na bandeira vermelha “patamar 1” e para R$ 3,50 na bandeira vermelha “patamar 2”.

O volume arrecadado pelos adicionais, desde o início da implantação do sistema, em 2015, até fevereiro de 2018, somou cerca de R$ 21,6 bilhões, segundo o tribunal. Na avaliação do TCU, embora os recursos tenham permitido um melhor equilíbrio de contas das distribuidoras de energia, há um “desvirtuamento do objetivo principal das bandeiras”, situação que recai sobre a responsabilidade da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel)." (Fonte: IstoÉ)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
https://www.istoedinheiro.com.br/taxa-extra-na-conta-de-luz-nao-reduz-consumo/







ELÉTRICAS - (19/03/2018) - Comunicando.

"O presidente executivo da Associação de Grandes Consumidores de Energia (Abrace), Edvaldo Santana, disse que o aumento das tarifas será ainda maior para as indústrias, entre 20% e 25%. “Será uma explosão tarifária”, afirmou. “Tivemos um erro brutal de planejamento, com contratação de energia quando não tinha demanda. E o governo e a Aneel não conseguem criar medidas para controlar o crescimento dos encargos setoriais”, afirmou.

Para reduzir o custo da eletricidade, o presidente da Associação Brasileira dos Comercializadores de Energia (Abraceel), Reginaldo Medeiros, defende a abertura do mercado livre. Nesse modelo, o consumidor continuaria a ser atendido pela distribuidora, mas poderia optar por comprar energia de outras empresas. “O sistema do mercado livre é mais competitivo. Se alguém tenta passar custos excessivos, perde o cliente”, afirmou, ressaltando que o modelo já é usado em países da Europa e alguns Estados americanos.

Estudo da Abraceel afirma que cerca de 182 mil pequenas e médias indústrias e estabelecimentos comerciais do País poderiam economizar R$ 10,5 bilhões em energia se pudessem migrar para o mercado livre em 2021. O prazo previsto pelo governo é 2026." (Fonte: IstoÉ)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
https://www.istoedinheiro.com.br/sera-uma-explosao-tarifaria-preve-abrace/







ELÉTRICAS - (15/03/2018) - Comunicando.

"A carga (consumo mais perdas) no sistema interligado nacional (SIN) totalizou 68.301 megawatts (MW) médios em fevereiro, com queda de 2,3% em relação a igual período de 2016, informou o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS). Segundo o órgão, o resultado foi fortemente influenciado pela ocorrência de temperaturas mais amenas em fevereiro deste ano. Considerando a carga ajustada, que exclui os fatores não econômicos e de calendário, a comparação com fevereiro de 2016 foi uma queda de apenas 0,1%." (Fonte: Valor Econômico)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
http://www.valor.com.br/brasil/5385345/ons-consumo-de-energia-no-pais-tem-queda-anual-de-23-em-fevereiro







ELÉTRICAS - (14/03/2018) - Comunicando.

"A liquidação financeira de operações no mercado de curto prazo de eletricidade referente a janeiro arrecadou 1,12 bilhão de reais, de 8,55 bilhões de reais em cobranças feitas junto às empresas do setor, disse nesta terça-feira a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE)." (Fonte: Reuters)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
https://br.reuters.com/article/businessNews/idBRKCN1GP263-OBRBS







ELÉTRICAS - (07/03/2018) - Taxas mantidas o que é uma boa notícia para as empresas do setor e seus sócios.

"As tarifas de eletricidade no Brasil têm subido de maneira consecutiva e alcançam hoje patamares que exigem um esforço das autoridades para tentar conter a escalada de preços, disse nesta terça-feira o diretor-geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Romeu Rufino.

Rufino fez a queixa às elevadas tarifas durante uma discussão da taxa de remuneração dos investimentos feitos pelas distribuidoras, que a Aneel decidiu manter no atual nível de 8,09 por cento." (Fonte: Exame)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
https://exame.abril.com.br/economia/tarifa-de-eletricidade-subiu-a-niveis-preocupantes-diz-aneel/







ELÉTRICAS - (06/03/2018) - PÉSSIMA notícia para as empresas do setor elétrico que poderão ver a sua rentabilidade futura diminuir se o indicador de remuneração for realmente reduzido.

"As maiores distribuidoras de eletricidade do Brasil têm pressionado a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para evitar um corte em um indicador utilizado para definir a remuneração das empresas do setor, tema que deve ser discutido na próxima reunião de diretoria do órgão regulador, na terça-feira.

A movimentação vem após a agência apresentar em novembro uma proposta que prevê definir o chamado “WACC regulatório” em 7,71 por cento após impostos nas revisões tarifárias a serem realizadas entre 2018 e 2020, contra um patamar de 8,09 por cento praticado a partir de 2015.

Antes, em outubro, técnicos da Aneel haviam proposto de maneira preliminar um WACC ainda menor, de 7,24 por cento." (Fonte: Exame)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
https://exame.abril.com.br/economia/eletricas-pressionam-contra-corte-na-remuneracao-de-investimento/







ELÉTRICAS - (26/02/2018) - Aumento de oferta, preços tendem a cair.

"O governo federal autorizou a AES Tietê a importar energia elétrica, “de forma excepcional e temporária”, da Argentina e do Uruguai, conforme portaria publicada no Diário Oficial da União desta sexta-feira. Trata-se da segunda empresa do grupo AES a receber essa autorização. Na semana passada, a AES Uruguaiana já havia sido liberada para importar energia dessas nações." (Fonte: Reuters)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
https://br.reuters.com/article/businessNews/idBRKCN1G71C6-OBRBS







ELÉTRICAS - (19/02/2018) - Comunicando.

"A Justiça no Distrito Federal reviu nesta sexta-feira um posicionamento da semana passada, e agora um grupo de elétricas que tinha perdido uma proteção contra perdas de faturamento decorrentes do chamado “risco hidrológico” no setor não poderá ser cobrado retroativamente por esses débitos, segundo decisão vista pela Reuters." (Fonte: Reuters)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
https://br.reuters.com/article/businessNews/idBRKCN1G028S-OBRBS







ELÉTRICAS - (14/02/2018) - Comunicando.

"A queda nesta semana de uma liminar que protegia um grupo de investidores em geração de perdas relacionadas ao chamado “risco hidrológico” reduzirá significativamente os valores que têm ficado em aberto nas liquidações financeiras de operações do mercado de eletricidade, disse à Reuters o chefe da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), Rui Altieri." (Fonte: Reuters)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
https://br.reuters.com/article/businessNews/idBRKBN1FT2QI-OBRBS







COPEL - (14/02/2018) - Comunicando.

"A Companhia Paranaense de Energia (Copel) apresentou crescimento de 4,8% no consumo de energia no quarto trimestre de 2017 ante igual período de 2016 no mercado fio (Tusd) da Copel Distribuição – composto por mercado cativo, suprimento a concessionárias e permissionárias dentro do Estado do Paraná e pela totalidade dos consumidores livres existentes na sua área de concessão. No ano, o aumento foi de 3,4%, para 29.215 GWh.

Em relatório, a Copel atribui o resultado principalmente ao aumento de 5,4% no consumo total da classe industrial no período, que por sua vez é resultado da melhora na produção industrial no Paraná, com crescimento de 4,3% em outubro e 3,2% em novembro ante os mesmos meses de 2016." (Fonte: IstoÉ)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
https://www.istoedinheiro.com.br/copel-tem-crescimento-de-48-no-consumo-de-energia-no-4o-tri/







COPEL - (08/02/2018) - Comunicando.

"A TIM, terceira maior operadora de telefonia móvel do País, está avaliando a compra dos negócios de telecomunicação das estatais de energia Cemig e da Copel para crescer em banda larga no País, apurou o 'Estado'. A tele, controlada pela Telecom Itália, aguarda a abertura do processo de venda das empresas para formalizar a proposta, afirmou uma fonte da alta cúpula da companhia italiana, que preferiu não se identificar. No mercado, a Copel Telecom é avaliada em torno de R$ 1 bilhão e a Cemig Telecom, em cerca de R$ 200 milhões." (Fonte: Infomoney)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
http://www.infomoney.com.br/mercados/acoes-e-indices/noticia/7256085/petrobras-quer-vender-polemica-refinaria-pasadena-balancos-tim-olho-ativos







ELÉTRICAS - (29/01/2018) - Comunicando.

"A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) informou que as contas de luz terão bandeira verde no mês de fevereiro. Com isso, os consumidores não terão que pagar taxa adicional no próximo mês. A bandeira verde está em vigor desde janeiro." (Fonte: Exame)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
https://exame.abril.com.br/seu-dinheiro/aneel-anuncia-bandeira-verde-nas-contas-de-luz-de-fevereiro/







ELÉTRICAS - (18/01/2018) - Comunicando.

"A produção de energia eólica em operação comercial no Sistema Interligado Nacional (SIN), entre janeiro e novembro do ano passado, foi 27% maior do que a geração de igual período de 2016, segundo dados consolidados pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE)." (Fonte: Exame)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
https://exame.abril.com.br/economia/geracao-eolica-cresce-27-entre-janeiro-e-novembro-de-2017/







ELÉTRICAS - (17/01/2018) - Comunicando.

"Chuvas favoráveis vistas desde dezembro na região das hidrelétricas brasileiras devem continuar até abril, o que pode levar o país a ter em 2018 o melhor período úmido em termos de recuperação dos reservatórios hídricos em anos, disse à Reuters um especialista da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCCE) nesta terça-feira." (Fonte: Exame)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
https://exame.abril.com.br/economia/hidreletricas-podem-ter-melhor-periodo-de-chuvas-em-anos/







ELÉTRICAS - (11/01/2018) - Comunicando.

"Chuvas surpreendentemente positivas no início de 2018 têm impulsionado uma virada de expectativas entre especialistas em energia, que agora apontam a possibilidade de uma recuperação mais rápida nos reservatórios das hidrelétricas, principal fonte de energia do Brasil, com impacto direto nos custos da eletricidade." (Fonte: Reuters)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
https://br.reuters.com/article/businessNews/idBRKBN1EZ23S-OBRBS







ELÉTRICAS - (10/01/2018) - Comunicando.

"O presidente da Cemig, Bernardo Afonso de Alvarenga, fez chegar ao ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, pesadas críticas ao novo modelo tarifário do setor. Cálculos da própria estatal indicam que a nova “tarifa branca” poderá apagar de 3% a 5% da sua receita anual sem necessariamente a redução do consumo como contrapartida." (Fonte: Relatório Reservado)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
http://relatorioreservado.com.br/lusco-fusco-3/







ELÉTRICAS - (05/01/2018) - Comunicando.

"O consumo de energia elétrica no Brasil subiu 1,2 por cento em dezembro, na comparação com o mesmo período de 2016, apontaram dados da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), em um comunicado nesta quinta-feira." (Fonte: Reuters)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
https://br.reuters.com/article/businessNews/idBRKBN1ET2CN-OBRBS







ELÉTRICAS - (28/12/2017) - Comunicando.

"O governo federal adiou um prazo para que autoridades do setor elétrico apresentem um plano para redução estrutural de custos com subsídios embutidos nas contas de luz e custeados por um encargo cobrado junto aos consumidores, a Conta de Desenvolvimento Energético (CDE), segundo publicação no Diário Oficial da União desta quarta-feira." (Fonte: Reuters)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
https://br.reuters.com/article/businessNews/idBRKBN1EL12L-OBRBS







ELÉTRICAS - (21/12/2017) - Comunicando.

"O Brasil fechou nesta semana a contratação de novas usinas de energia eólica e de geração solar a preços menores que os de hidrelétricas, que são tradicionalmente o carro-chefe e a mais barata fonte de produção de eletricidade no país. O leilão de energia A-6 promovido pelo governo nesta quarta-feira, ainda em andamento, tem registrado lances na casa dos 100 reais por megawatt-hora por parte de investidores em usinas eólicas, segundo a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), o que representa um recorde, de acordo com levantamento da Reuters com dados da instituição.

O preço corrente de 100,02 reais por megawatt-hora apresentado pelos parques eólicos que seguiam na disputa do leilão por volta das 10h30 representa deságio de mais de 60 por cento ante o teto para a fonte na licitação. O valor é recorde para a fonte e inferior à cotação das usinas em um leilão A-4 realizado na segunda-feira.

Antes dos leilões desta semana, o menor preço já registrado para a fonte, em 2012, representa 118,89 reais por megawatt-hora quando atualizado pela inflação." (Fonte: Reuters)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
https://br.reuters.com/article/businessNews/idBRKBN1EE1JX-OBRBS







ELÉTRICAS - (20/12/2017) - Comunicando.

"Consumidor vai pagar R$ 16 bi em subsídios na conta de luz. O valor representa um aumento de 22,88% em relação às despesas deste ano, de R$ 13,038 bilhões. Esse aumento deve ter um impacto médio de 2,14% nas tarifas em 2018." (Fonte: Exame)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
https://exame.abril.com.br/seu-dinheiro/consumidor-vai-pagar-r-16-bi-em-subsidios-na-conta-de-luz/







ELÉTRICAS - (19/12/2017) - Comunicando.

"A Engie Energia, antiga Tractebel, arrematou o lote 1 do leilão de transmissão realizado pela Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) na última sexta-feira, onde foram colocados à venda 11 lotes, totalizando 4,919 KM de linhas de transmissão e 14 subestações. O total de investimentos contratados permitidos foram de R$ 8,7 bilhões." (Fonte: Infomoney)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
http://www.infomoney.com.br/mercados/acoes-e-indices/noticia/7146592/rumo-dispara-com-alerta-credit-suisse-bofa-burger-king-cai







COPEL - (18/12/2017) -

As ações da empresa estão atraentes com P/L de 7,40 e o P/VPA de 0,41 (Fonte: Fundamentus), ENTRETANTO elas são um pouco mais arriscadas do que eu gosto de recomendar com Dívida Liq / Ebit em 4.17, MAS vale a pena acompanha-la para uma compra em um momento de correção das cotações.



"A Companhia Paranaense de Energia (Copel) registrou um lucro líquido de R$ 389,8 milhões no terceiro trimestre deste ano, revertendo o prejuízo de R$ 75,1 milhões reapresentado para o mesmo período do ano passado.

Já o lucro líquido atribuído aos acionistas controladores somou R$ 383,3 milhões, ante a perda de R$ 87,1 milhões anotada em igual etapa de 2016.

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) somou R$ 643,7 milhões, o que corresponde a uma alta de 48,1% em relação aos R$ 434,6 milhões registrados um ano antes, conforme os números reapresentados. A margem Ebitda passou de 14,9% para 17,7%.

á o resultado financeiro da estatal paranaense ficou negativo em R$ 143,255 milhões, montante 34,7% menor que os R$ 219,388 milhões anotados no terceiro trimestre do ano passado." (Fonte: Exame)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
https://exame.abril.com.br/negocios/copel-reverte-prejuizo-e-lucra-r-3898-mi-no-3o-trimestre/







ELÉTRICAS - (15/12/2017) - Comunicando.

"A produção de energia eólica do Brasil no Sistema Interligado Nacional (SIN) entre janeiro e outubro de 2017 cresceu 28 por cento na comparação com o igual período do ano passado, disse a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) nesta quinta-feira.

Usinas produziram 4.527 MW médios no período, ante 3.531 MW médios de janeiro a outubro de 2016.

Segundo a CCEE, a fonte eólica representou 7,3 por cento de toda a energia gerada no período em todo o sistema." (Fonte: Reuters)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
https://br.reuters.com/article/businessNews/idBRKBN1E82SF-OBRBS







ELÉTRICAS - (08/12/2017) - Comunicando.

"O consumo de energia elétrica no Brasil registrou alta de 1 por cento entre os dias 1º e 30 de novembro quando na comparação com o mesmo período do ano passado, disse a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) nesta quinta-feira." (Fonte: Reuters)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
https://br.reuters.com/article/businessNews/idBRKBN1E12ZY-OBRBS







ELÉTRICAS - (04/12/2017) - Comunicando.

"O Ministério de Minas e Energia e a Aneel discutem mudanças nas regras dos leilões de energia elétrica a partir de 2018 com o objetivo de estimular a participação das Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs). A principal alteração, segundo o RR apurou, deverá ser a retirada da obrigação de autorização prévia da agência reguladora para todas as PCHs, algo que já ocorre com as demais fontes, como grandes hidrelétricas, eólicas e térmicas. Trata-se de um pleito de grandes grupos do setor com investimento em pequenas centrais, como CPFL, EDP e Energisa, além das próprias estatais, casos de Cemig e Copel." (Fonte: Relatório Reservado)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
http://relatorioreservado.com.br/uma-luz-ao-longe-para-as-pequenas-centrais-hidreletricas/







COPEL - (30/11/2017) - Comunicando.

"A Companhia Paranaense de Energia (Copel) registrou um lucro líquido de R$ 389,8 milhões no terceiro trimestre deste ano, revertendo o prejuízo de R$ 75,1 milhões reapresentado para o mesmo período do ano passado.

Já o lucro líquido atribuído aos acionistas controladores somou R$ 383,3 milhões, ante a perda de R$ 87,1 milhões anotada em igual etapa de 2016.

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) somou R$ 643,7 milhões, o que corresponde a uma alta de 48,1% em relação aos R$ 434,6 milhões registrados um ano antes, conforme os números reapresentados. A margem Ebitda passou de 14,9% para 17,7%.

á o resultado financeiro da estatal paranaense ficou negativo em R$ 143,255 milhões, montante 34,7% menor que os R$ 219,388 milhões anotados no terceiro trimestre do ano passado." (Fonte: Exame)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
https://exame.abril.com.br/negocios/copel-reverte-prejuizo-e-lucra-r-3898-mi-no-3o-trimestre/







COPEL - (30/11/2017) - Comunicando.

"A Copel informou o mercado que participará, como vendedora, de oferta pública de distribuição secundária de units da Sanepar (SAPR4). Também no noticiário da companhia, destaque para os resultados operacionais referentes ao terceiro trimestre. Entre julho e setembro deste ano, a Copel registrou uma receita líquida de R$ 3,64 bilhões e um lucro atribuído a controladores de R$ 383,3 milhões." (Fonte: Infomoney)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
http://www.infomoney.com.br/mercados/acoes-e-indices/noticia/7116601/senado-derruba-medida-que-beneficiaria-gol-temer-avanca-sobre-venda







COPEL - (21/11/2017) - Comunicando.

"A Copel pediu adesão ao programa de units da Sanepar. A Copel Holding solicitou a conversão de 7,27 milhões de ações preferenciais em ordinárias e a formação de 7,27 milhões units. Enquanto isso, a Copel Comercialização solicitou a conversão de 6,37 milhões de ações ordinárias em preferenciais e formação de 1,59 milhões units. A Copel Holding detém 7,2% de participação nas ações da Sanepar e a Copel Comercialização detém 1,6%." (Fonte: Infomoney)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
http://www.infomoney.com.br/mercados/acoes-e-indices/noticia/7092052/vale-vende-subsidiaria-por-255-milhoes-programa-units-sanepar-mais







COPEL - (16/11/2017) - Comunicando.

"A Companhia Paranaense de Energia (Copel) anunciou nesta terça-feira que, excepcionalmente, não apresentará à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) seus resultados financeiros do terceiro trimestre, devido a “questões relacionadas às demonstrações financeiras da UEG Araucária – UEGA, empresa controlada por uma de suas subsidiárias”.

O balanço estava previsto para ser divulgado nesta terça-feira. " (Fonte: Reuters)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
https://br.reuters.com/article/businessNews/idBRKBN1DE2YI-OBRBS







ELÉTRICAS - (16/11/2017) - Comunicando.

"A diretoria da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) propôs nesta terça-feira que uma taxa utilizada para definir a remuneração de distribuidoras de eletricidade seja elevada em 6,5 por cento ante uma proposta anterior da área técnica do órgão.

Em reunião da diretoria colegiada da agência, foi aprovada a abertura de uma audiência pública sobre a proposta, que prevê que as revisões tarifárias entre 2018 e 2020 utilizem um custo médio ponderado de capital (WACC, na sigla em inglês) de 9,76 por cento para as distribuidoras, ou 7,71 por cento no valor real após impostos.

Os técnicos da Aneel haviam proposto no final de outubro um WACC real após impostos de 7,24 por cento, contra 8,09 por cento praticado nas revisões tarifárias a partir de 2015. " (Fonte: Reuters)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
https://br.reuters.com/article/businessNews/idBRKBN1DE2AL-OBRBS







ELÉTRICAS - (16/11/2017) - CUIDADO.

"A agência de classificação de riscos Moody’s alertou que a recuperação dos reservatórios das hidrelétricas do Brasil deverá ser mais lenta que o estimado anteriormente, o que vai impactar a geração de caixa principalmente de empresas que operam usinas hídricas e têm a produção comercializada no mercado livre de eletricidade. " (Fonte: Reuters)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
http://br.reuters.com/article/businessNews/idBRKBN1DE1Z6-OBRBS







ELÉTRICAS - (16/11/2017) - Notícia bastante ruim para as distribuidoras que terão menos lucro.

"A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) propôs nesta terça-feira (14) uma redução na taxa de remuneração sobre os investimentos feitos pelas distribuidoras de energia elétrica, conhecida pela sigla WACC. Pela proposta, a nova taxa será de 7,71% e valeria para o próximo ciclo de revisões tarifárias das distribuidoras. A taxa atual, levada em consideração nas atuais revisões tarifárias, é de 8,09%.
" (Fonte: O Globo G1)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
https://g1.globo.com/economia/noticia/aneel-propoe-reduzir-taxa-de-remuneracao-das-distribuidoras-de-energia.ghtml







ELÉTRICAS - (09/11/2017) - Podemos ter problema de fornecimento de energia no ano que vem, além de eleições e muitos outros riscos. Ano que vem parece que será difícil.

"O pavor de Michel Temer deixou de ser fiscal e passou a ser energético. O presidente já não teme mais o impacto político de um eventual racionamento de luz ou de aumento de impostos. O pânico diz respeito a apagões regionais. O nível dos reservatórios está pior do que em 2001, quando houve racionamento. A diferença é que, naquele episódio, o governo FHC, na figura de Pedro Parente, importou e acionou termelétricas que já se encontram desativadas... Castigo dos céus: o Brasil onde não faltava energia limpa depende de energia suja, que ainda pode ser insuficiente para evitar o apagão. " (Fonte: Relatório Reservado)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
http://relatorioreservado.com.br/risco-de-apagoes-aterroriza-o-palacio-do-planalto/







ELÉTRICAS - (06/11/2017) - Comunicando.

"O Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) para o mercado de curto prazo de energia elétrica saiu do valor máximo e caiu cerca de 9 por cento nos submercados Sudeste/Centro-Oeste, Sul, Nordeste e Norte, após previsão de chuvas mais favoráveis para as regiões das hidrelétricas, principal fonte de geração no Brasil. " (Fonte: Reuters)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
http://br.reuters.com/article/businessNews/idBRKBN1D32ES-OBRBS







ELÉTRICAS - (03/11/2017) - Comunicando.

"Os reservatórios do Sudeste e do Centro-Oeste, que concentram as hidrelétricas mais importantes do país, fecharam o mês de outubro com armazenamento médio de água de 17,68%, o mais baixo para o mês desde 2000, quando começou a série histórica do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS). " (Fonte: O Globo G1)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
https://g1.globo.com/economia/noticia/reservatorios-de-hidreletricas-do-sudeste-e-centro-oeste-tem-o-pior-outubro-desde-2000.ghtml







ELÉTRICAS - (31/10/2017) - Cuidado com as distribuidoras que podem ter piora em seus resultados devido a "crise" elétrica.

"Uma semana após aprovar mudanças na metodologia e nos valores dos patamares das bandeiras tarifárias, a diretoria da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) vai analisar, em reunião hoje, novo pedido de socorro às distribuidoras. Na pauta, estão a liberação de recursos da ordem de R$ 1 bilhão da Conta de Energia de Reserva (Coner), encargo criado para remunerar projetos contratados em leilões de energia de reserva e que está superavitário, e o adiamento, do início para o fim do mês, da liquidação mensal do mercado de curto prazo." (Fonte: Valor Econômico)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
http://www.valor.com.br/brasil/5177400/aneel-analisa-novo-socorro-de-r-1-bi-distribuidoras







ELÉTRICAS - (27/10/2017) - Pelo visto as distribuidoras passarão por um período difícil e é possível que as empresas de saneamento básico também.

"A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou nesta semana uma alta de mais de 40% nos custos da bandeira tarifária vermelha nível 2, atualmente vigente devido à falta de chuva na área dos reservatórios das hidrelétricas, principal fonte de energia do Brasil.

A mudança vai gerar uma receita adicional de cerca de R$ 1 bilhão para as distribuidoras até o final do ano, enquanto o custo estimado com a compra de energia térmica no período é de cerca de R$ 6 bilhões, afirmou à Reuters o presidente da Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica (Abradee), Nelson Leite.
" (Fonte: O Globo G1)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
https://g1.globo.com/economia/negocios/noticia/distribuidoras-de-energia-dizem-que-tarifa-nao-cobre-custo-nem-com-alta-em-bandeiras-tarifarias.ghtml







ELÉTRICAS - (25/10/2017) - Se ocorrer será ruim para as distribuidoras.

"A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) pode reduzir a taxa de remuneração das distribuidoras de eletricidade no próximo ciclo de revisão das tarifas das concessionárias, entre janeiro de 2018 e dezembro de 2020, segundo nota técnica do regulador vista pela Reuters.

No documento, com data de 23 de outubro, os técnicos da agência propõem que o custo médio ponderado de capital das distribuidoras– conhecido pela sigla WACC — seja definido em 9,29 por cento, ou um WACC real depois de impostos de 7,24 por cento.

No ciclo de revisão tarifária anterior, iniciado em 2015, o WACC após impostos havia sido definido em 8,09 por cento." (Fonte: Exame)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
https://exame.abril.com.br/negocios/aneel-pode-reduzir-taxa-de-remuneracao-de-distribuidoras/







ELÉTRICAS - (25/10/2017) - Comunicando.

"A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou nesta terça-feira (24) um aumento de 42,8% para o valor do patamar 2 da bandeira tarifária vermelha. Com o reajuste, a taxa extra cobrada nas contas de luz quando essa bandeira é acionada passará de R$ 3,50 para R$ 5,00 a cada 100 kWh consumidos. " (Fonte: O Globo G1)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
https://g1.globo.com/economia/noticia/aneel-eleva-cobranca-maxima-da-bandeira-tarifaria-de-r-350-para-r-5-a-cada-100-kwh.ghtml







ELÉTRICAS - (24/10/2017) - Comunicando.

"Os reservatórios das usinas hidrelétricas do país devem chegar a novembro com 16% do volume máximo, cenário pior que o de 2001, quando houve racionamento de energia, calcula a consultoria Thymos, com base nos dados disponibilizados pelo Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS)." (Fonte: Valor Econômico)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
http://www.valor.com.br/brasil/5165810/reservatorios-devem-cair-nivel-pior-que-o-de-2001-diz-consultoria







ELÉTRICAS - (23/10/2017) - Comunicando.

"Aneel vai mudar cálculo e energia deve subir mais. Os baixos níveis dos reservatórios e as chuvas abaixo da média dispararam um sinal de alerta para o governo. Embora não haja risco de racionamento, o custo da geração de energia está cada vez mais alto. A Aneel pretende revisar a metodologia de definição das bandeiras." (Fonte: Valor Econômico)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
http://www.valor.com.br/brasil/5165146/aneel-vai-mudar-calculo-e-energia-deve-subir-mais







ELÉTRICAS - (20/10/2017) - Comunicando.

"O consumo de energia elétrica no Brasil subiu 4,6 por cento entre os dias 1º e 16 de outubro, ante igual período de 2016, segundo dados preliminares da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) divulgados nesta quinta-feira. A CCEE também informou que houve alta de 4,4 por cento na geração ao longo do mesmo período. " (Fonte: Reuters)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
http://br.reuters.com/article/businessNews/idBRKBN1CO300-OBRBS







ELÉTRICAS - (19/10/2017) - Comunicando.

"A geração de energia hidrelétrica cairá 25% na América Latina para 2040 como consequência das mudanças climáticas, apesar da demanda energética duplicar, advertiu nesta quarta-feira (18), no Panamá, um especialista da ONU." (Fonte: IstoÉ)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
https://www.istoedinheiro.com.br/mudanca-no-clima-diminuira-em-25-energia-hidreletrica-na-america-latina/







ELÉTRICAS - (18/10/2017) - Comunicando.

"A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou nesta terça-feira, 17, um reajuste médio de 24,37% nas tarifas da EDP São Paulo, antiga EDP Bandeirante. Para consumidores conectados à alta tensão, o aumento será de 27,31%, e para a baixa tensão, a alta será de 22,67%." (Fonte: IstoÉ)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
https://www.istoedinheiro.com.br/aneel-aprova-reajuste-medio-de-2437-nas-tarifas-da-edp-sao-paulo/







COPEL - (17/10/2017) - Comunicando.

"A elétrica Copel recebeu autorização nesta segunda-feira para restaurar em caráter temporário a operação comercial da termelétrica Araucária, usina no município paranaense de mesmo nome com 484 megawatts em capacidade instalada. " (Fonte: Reuters)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
http://br.reuters.com/article/businessNews/idBRKBN1CL1KU-OBRBS







ELÉTRICAS - (16/10/2017) - Quem pagará a conta?.

"O custo marginal de operação (CMO) médio estimado ficou em 860,84 reais por megawatt-hora, alta de quase 25 por cento ante os 690,75 reais na semana anterior, segundo o ONS.

A alta veio após o órgão reduzir as estimativas de chuva na área das hidrelétricas do Sudeste neste mês para 68 por cento da média histórica, ante 79 por cento na semana anterior. " (Fonte: Reuters)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
http://br.reuters.com/article/businessNews/idBRKBN1CI2H4-OBRBS







ELÉTRICAS - (04/10/2017) - Comunicando.

"A Empresa de Pesquisa Energética (EPE) informou que o consumo de energia no país atingiu 37.583 GWh em agosto, queda de 0,1% ante agosto do ano passado. A queda foi puxada pelo setor comercial, no qual o consumo de energia passou de 6.750 GWh em agosto do ano passado para 6.712 GWh em agosto deste ano, recuo de 0,6%. Na indústria, o consumo subiu 0,1%, para 14.172 GWh, enquanto nas residências houve alta de 0,1%, para 10.435 GWh." (Fonte: Valor Econômico)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
http://www.valor.com.br/brasil/5143986/curta







ELÉTRICAS - (02/10/2017) - Comunicando.

"O diretor-geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Romeu Rufino, anunciou que as contas de luz terão o segundo patamar da bandeira vermelha em outubro. Com a decisão, o consumidor terá um acréscimo de R$ 3,50 a cada 100 quilowatt-hora (kWh) consumidos a partir de domingo, 1º de outubro. Em setembro, vigorou a bandeira amarela, que adiciona R$ 2,00 a cada 100 kWh consumidos. " (Fonte: Estadão)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
http://economia.estadao.com.br/noticias/suas-contas,conta-de-luz-em-outubro-tera-bandeira-vermelha-e-taxa-extra-de-r-3-50,70002021417







ELÉTRICAS - (02/10/2017) - Comunicando.

"A iniciativa privada já detém 60% da capacidade de geração de energia instalada no país, além de 39% da transmissão (que interliga o sistema) e 71% da distribuição (que entrega a energia ao consumidor final). " (Fonte: Folha)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2017/09/1923143-empresas-privadas-ja-detem-60-da-geracao-de-energia-do-brasil.shtml







ELÉTRICAS - (25/09/2017) - Comunicando.

"Publicado no Diário Oficial da União de hoje (22) o decreto presidencial que prorroga concessões e autorizações ainda não prorrogadas de usinas hidrelétricas com capacidade instalada entre 5 mil e 50 mil quilowatts. A medida vale também para usinas de autogeração que estejam operando mas não estejam ligadas ao Sistema Interligado Nacional. Nesse caso, ela vale independentemente do potencial de geração. A prorrogação vale por 30 anos a serem contados a partir do término do prazo da concessão ou da autorização. " (Fonte: Exame)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
http://exame.abril.com.br/economia/decreto-presidencial-prorroga-concessoes-de-usinas-hidreletricas/







ELÉTRICAS - (25/09/2017) - Preparem-se. Além da falta de água, é possível que tenhamos falta de energia

"Maiores represas do país enfrentam seca histórica. A pior seca dos últimos 100 anos tem testado os limites de alguns dos maiores reservatórios do País. Na Bahia, o lago de Sobradinho, terceiro maior do Brasil em volume de água, enfrenta a estiagem com apenas 5% de sua capacidade total de armazenamento, menos da metade do que tinha há exatamente um ano, quando já estava em crise. Em Goiás, a represa de Serra da Mesa, a maior do País em capacidade de armazenamento, está com somente 8% do volume que é capaz de guardar. E essa situação vai piorar." (Fonte: IstoÉ)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
http://www.istoedinheiro.com.br/maiores-represas-do-pais-enfrentam-seca-historica/







COPEL - (30/08/2017) -

Se olharem o gráfico dos lucros trimestrais, veremos que no segundo trimestre de 2016 houve um enorme lucro e nos dois trimestres posteriores, prejuízo.

Se colocarmos um lucro trimestral nédio de R$ 270 milhões, teríamos um P/L de 7,5, que com um P/VPA de 0,53 (Fonte: Fundamentus), poderíamos tem uma ação interessante para se acompanhar e comprar.

"A Copel teve lucro líquido de 151 milhões de reais no segundo trimestre, queda de 85 por cento frente ao mesmo período do ano passado, informou a empresa nesta quinta-feira.

A receita com a venda de bens e serviços também caiu, par 3,2 bilhões de reais, ante 3,8 bilhões no segundo trimestre de 2016, segundo informações disponibilizadas pela B3." (Fonte: Reuters)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
http://br.reuters.com/article/businessNews/idBRKBN1AQ2P6-OBRBS







ELÉTRICAS - (21/08/2017) - Comunicando.

"A usina nuclear de Angra 1 será desligada a partir das 0h de sábado, em uma parada programada para reabastecimento prevista para durar 60 dias, informou a Eletronuclear, responsável pela usina." (Fonte: Exame)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
http://exame.abril.com.br/negocios/angra-1-vai-parar-por-60-dias-a-partir-de-sabado/







COPEL - (16/08/2017) - Comunicando.

"Depois de comunicar, no último dia 10, o cancelamento da capitalização em estudo, a Copel avalia várias alternativas para levantar caixa neste ano, como cortes de custos e vendas de ativos. A informação foi transmitida nesta terça-feira (15) por Adriano Moura, diretor financeiro e de relação com investidores, em evento promovido pela Associação dos Analistas e Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais (Apimec) em São Paulo." (Fonte: Valor Econômico)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
http://www.valor.com.br/empresas/5080588/copel-estuda-corte-de-custos-e-venda-de-ativos







COPEL - (11/08/2017) - Comunicando.

"A Copel teve lucro líquido de 151 milhões de reais no segundo trimestre, queda de 85 por cento frente ao mesmo período do ano passado, informou a empresa nesta quinta-feira.

A receita com a venda de bens e serviços também caiu, par 3,2 bilhões de reais, ante 3,8 bilhões no segundo trimestre de 2016, segundo informações disponibilizadas pela B3." (Fonte: Reuters)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
http://br.reuters.com/article/businessNews/idBRKBN1AQ2P6-OBRBS







ELÉTRICAS - (08/08/2017) - Comunicando.

"Enquanto a retomada da economia não chega, as distribuidoras continuam sofrendo os efeitos da redução da demanda por energia e do aumento da inadimplência. Até o momento, quatro distribuidoras divulgaram os resultados operacionais do segundo trimestre, todos indicando que o cenário de baixa demanda persistiu. Considerando apenas o mercado cativo, no qual consumidores compram a energia diretamente das concessionárias, houve queda média de 9,63% no consumo no segundo trimestre." (Fonte: Valor Econômico)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:
http://www.valor.com.br/empresas/5069792/mercado-das-distribuidoras-mantem-queda-no-2-tri







COPEL - (04/08/2017) - Comunicando.

"A termelétrica de Araucária, no Paraná, teve a operação comercial de suas três unidades geradoras suspensa a partir desta quinta-feira, segundo decisão da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) publicada no Diário Oficial da União. Segundo o despacho da Aneel, assinado pela superintendência de Fiscalização, “a suspensão da operação comercial é em caráter temporário e vigorará até que a condição operativa das referidas unidades geradoras seja restabelecida.”" (Fonte: Exame)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:








COPEL - (31/07/2017) - Comunicando.

"A Copel divulgou seus resultados operacionais do segundo trimestre, com a energia total vendida pela Copel Distribuição no mercado cativo tendo queda de 17,3% no segundo trimestre do ano, para 4.812 gigawatts-hora (GWh), em meio à forte queda no consumo industrial, de 49%, e no segmento comercial, de 13,9%. A baixa no consumo refletiu, principalmente, a migração de consumidores do mercado cativo para o livre, afirmou a companhia. " (Fonte: Infomoney)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:








ELÉTRICAS - (31/07/2017) - Comunicando.

"As contas de luz dos consumidores brasileiros terão bandeira tarifária vermelha em agosto, o que significa um custo adicional, informou a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) nesta sexta-feira." (Fonte: Reuters)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:








ELÉTRICAS - (28/07/2017) - Ruim para as empresas de energia que passarão a vender a um preço menor e portanto deverão diminuir o lucro.

Bom para o país e para as empresas que terão um custo menor aumentando sua competitividade e possibilidade de incrementar lucros.

Observe que a microgeração está aumentando e assim a oferta de energia também. Mais concorrência, preços tendem a cair.

"Para reduzir a conta de luz em média em 20%, milhares de empresas têm migrado para o mercado livre de energia desde 2015, tendência que deverá se consolidar nos próximos anos num momento em que governo e o setor discutem a ampliação do segmento.

O novo modelo do setor elétrico, divulgado pelo Ministério de Minas e Energia no início do mês e em fase de consulta pública, prevê a ampliação gradual do mercado livre até 2028, quando todos os consumidores com demanda superior a 75 kW teriam liberdade para comprar de comercializadores ou distribuidoras sua energia.

Entre janeiro e junho de 2017, as usinas de microgeração distribuída registradas na Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) saltaram de 7.658 para 12.340. A potência total instalada é de 139.993,07 KW, sendo 98% por geração fotovoltaica. O sistema permite que o consumidor gere energia por fonte renovável e, conectado à rede de distribuição, receba créditos nos meses em que sua produção supera o consumo.

Uma das principais variáveis que estimulam a migração para o mercado livre é o valor da energia no ambiente cativo, atendido pelas distribuidoras. Hoje a tarifa de energia no mercado regulado ainda é 15% mais alta, e a tendência é de que continue subindo. O governo já sinalizou que as mudanças em curso no marco regulatório do setor deverão provocar um aumento de 7% nas tarifas de energia, mas a expectativa do mercado é de que o aumento das tarifas nas distribuidoras suba mais do que isso.
" (Fonte: Valor Econômico)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:








ELÉTRICAS - (10/07/2017) - Receita das empresas pode estar caindo.

"As contas de luz ficaram 5,52% mais baratas em junho, maior impacto negativo sobre o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) do mês, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)." (Fonte: UOL)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:








ELÉTRICAS - (10/07/2017) - Verdades.

"A proposta do governo federal de promover uma ampla reforma no setor elétrico agradou o mercado, com forte alta nas ações de empresas do segmento após a divulgação das medidas, mas a abrangência das mudanças sinaliza desafios imensos para a solução de antigos problemas na regulação.

A mais ambiciosa mudança no marco regulatório desde uma revisão de regras no início do governo Lula, entre 2003 e 2004, pode esbarrar na crise política, uma vez que deve ser efetivada com uma medida provisória (MP) que pode chegar a um Congresso mais preocupado com denúncias contra o presidente Michel Temer.

Além disso, alguns técnicos do setor preveem que as medidas podem gerar tendência de elevação nas tarifas de eletricidade, embora o governo prometa o contrário.

Outro ponto da reforma que pode enfrentar resistência é o viés fortemente pró-privatizações, em parte por questões ideológicas e em parte devido ao interesse de parlamentares por cargos e influência nas estatais, mesmo na bancada de apoio a Temer." (Fonte: Reuters)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:








ELÉTRICAS - (06/07/2017) - Comunicando.

"Privatização de hidrelétricas poderá render R$ 53 bilhões.

Mesmo enfrentando crise que ameaça o mandato do presidente Michel Temer, o governo deu início ontem à maior reforma do setor elétrico desde 2012, quando a ex-presidente Dilma Rousseff lançou controverso plano de redução das contas de luz. Em documento de 57 páginas, o Ministério de Minas e Energia propõe mudanças que serão discutidas com investidores antes do envio de uma medida provisória ao Congresso.

...Usinas hidrelétricas da Eletrobras, por exemplo, que tiveram as concessões renovadas por 30 anos em 2012, com corte em torno de 70% nos valores do megawatt-hora, devem ser privatizadas e poderão cobrar tarifa de mercado." (Fonte: Valor Econômico)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:








ELÉTRICAS - (28/06/2017) - Comunicando.

"A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou nesta terça-feira, 27, um reajuste de 74,74% nas tarifas recebidas por nove transmissoras de energia para o ciclo 2017/2018. Juntas, as empresas terão uma receita anual permitida (RAP) de R$ 23,736 bilhões. A nova RAP será aplicada a partir de 1º de julho para CEEE-GT, Celg-GT, Cemig-GT, Copel-GT, CTEEP, Eletronorte, Eletrosul, Furnas e Chesf.

O principal motivo do elevado aumento tarifário é a inclusão de uma parcela referente a indenizações devidas a essas empresas. Do aumento de 74,74%, 69,19 pontos porcentuais (p.p.) dizem respeito às indenizações; 3,23 p.p. ao reajuste previsto em contrato; e 2,32 p.p. aos investimentos mais recentes na expansão da rede.

Uma ação judicial de associações de grandes indústrias questiona a parcela de remuneração sobre esses valores, que não estava prevista na MP 579/2012. Ao calcular a receita das transmissoras, a Aneel considerou os efeitos dessa decisão, que reduziu a conta em R$ 9 bilhões, para cerca de R$ 53 bilhões." (Fonte: Infomoney)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:








ELÉTRICAS - (27/06/2017) - Comunicando.

"Ainda sobre elétricas, o Estadão ressalta que uma nova onda de "privatização" começa a ser colocada em curso no setor elétrico brasileiro, num movimento que pode atrair quase R$ 30 bilhões. Do ano passado para cá, estatais de vários Estados iniciaram processo para vender ativos de geração, transmissão e distribuição de energia. A lista inclui além de Cemig, de Minas Gerais; Cesp, de São Paulo; Copel, do Paraná; CEB, do Distrito Federal; e CEEE, do Rio Grande do Sul; além da companhia federal Eletrobras (veja mais clicando aqui). " (Fonte: Infomoney)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:








COPEL - (21/06/2017) - Comunicando.

"A diretoria da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou nesta terça-feira uma elevação de 5,85 por cento em média para as tarifas da distribuidora de eletricidade Copel-D, da estatal paranaense Copel, responsável pelo fornecimento no Paraná." (Fonte: Reuters)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:








ELÉTRICAS - (21/06/2017) - Ruim para as empresas do setor.

"As principais transmissoras de energia tiveram as receitas do ciclo 2017/2018 reduzidas em 13,6% ontem, como resultado da aplicação de uma decisão judicial obtida por um grupo de consumidores de energia questionando o pagamento de indenizações por ativos antigos não amortizados. A receita anual permitida (RAP) das nove transmissoras afetadas prevista para o período passou de R$ 10,807 bilhões para R$ 9,341 bilhões." (Fonte: Valor Econômico)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:








COPEL - (20/06/2017) - Comunicando.

"A estatal paranaense de energia Copel (CPLE6.SA: Cotações) e o grupo francês Voltalia (VLTSA.PA: Cotações) receberam autorização para iniciar a operação comercial de três parques eólicos no Rio Grande do Norte, segundo publicação no Diário Oficial da União desta segunda-feira." (Fonte: Reuters)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:








COPEL - (14/06/2017) - Após dois trimestres apresentando prejuízos aos sócios, a empresa voltou a apresentar lucro. Com P/L de 5,6 e P/VPA de 0,4 (Fonte: Guiainvest). Dívida Bruta / Pat Líq de 57,3%, acredito que valha a pena acompanhar o papel para compra-lo em movimentos de correção técnica, mas também é importante verificar se os prejuízos voltarão a acontecer.

"A Companhia Paranaense de Energia (Copel) registrou um lucro líquido atribuído aos acionistas controladores de R$ 410,34 milhões no primeiro trimestre deste ano, montante mais de três vezes superior aos R$ 133,5 milhões anotados no mesmo período do ano passado.

A Companhia Paranaense de Energia (Copel) registrou um lucro líquido atribuído aos acionistas controladores de R$ 410,34 milhões no primeiro trimestre deste ano, montante mais de três vezes superior aos R$ 133,5 milhões anotados no mesmo período do ano passado.

Desconsiderando os efeitos não recorrentes do período, o Ebitda ajustado ficou em R$ 811,5 milhões entre janeiro e março, montante 51% superior ao registrado no mesmo período de 2016.

A receita operacional líquida da Copel totalizou R$ 3,297 bilhões nos três primeiros meses do ano, o que corresponde a um crescimento de 7% frente igual etapa de 2016.

O resultado de equivalência patrimonial, por sua vez, caiu 29,6%, para R$ 33,7 milhões, impacto da conversão de ações ordinárias em ações preferenciais de emissão da Sanepar e de titularidade da Dominó Holdings, que resultou na extinção do acordo de acionistas.

Já o resultado financeiro da estatal paranaense ficou negativo em R$ 156 milhões, número 6,5% menor que os R$ 166,89 milhões anotados no primeiro trimestre do ano passado." (Fonte: Exame)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:








ELÉTRICAS - (12/06/2017) - Comunicando.

"Ainda sobre elétricas, o Globo informa que o governo decidiu renegociar o pagamento da indenização de R$ 62,2 bilhões devida pela União às empresas de transmissão de energia elétrica, que será quitada com o repasse dos custos às contas de eletricidade de todos os brasileiros. A previsão inicial era que esse passivo fosse pago em oito anos. A primeira proposta colocada em negociação é para alongar o pagamento dos débitos, sem diminuir o montante a ser pago. O prazo pode ser ampliado por até 25 anos, segundo fontes envolvidas nas discussões, mas isso ainda não foi definido." (Fonte: Infomoney)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:








ELÉTRICAS - (09/06/2017) - Boa notícia pois é um proxy da atividade econômica.

"O consumo e a geração de eletricidade no Brasil apresentaram alta de 0,7 por cento entre 1° e 31 de maio, ante igual período do ano anterior, informou nesta quinta-feira a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE)." (Fonte: Reuters)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:








COPEL - (08/06/2017) - Notícia ruim para minoritários.

"A estatal paranaense de energia Copel deslanchou um plano para fazer uma oferta de ações na qual pretende captar cerca de R$ 4 bilhões, apurou o Valor. " (Fonte: Valor Econômico)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:








ELÉTRICAS - (07/06/2017) - Comunicando.

"A conta do emaranhado de processos judiciais que envolvem o setor elétrico chega a nada menos que R$ 90 bilhões." (Fonte: Exame)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:








COPEL - (06/06/2017) - Mais corrupção.

"As ações da Copel caíram até 3,84%, a R$ 26,81, nesta sessão, em meio à Operação "Curto Circuito", da Polícia Federal. Sete empresários e um ex-funcionário da Copel foram alvos da operação deflagrada nesta manhã em três cidades do Paraná. Eles são suspeitos de envolvimento em um esquema de fraudes em contratos da estatal com diversas empresas que gerou um prejuízo de R$ 7 milhões entre 2008 e 2015. " (Fonte: Infomoney)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:








ELÉTRICAS - (29/05/2017) - Comunicando.

"Uma melhoria no quadro de chuvas nas últimas semanas levou a uma forte redução de 65 por cento no preço spot da eletricidade em carga média para a próxima semana, ou Preço de Liquidação das Diferenças (PLD), disse a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) nesta sexta-feira." (Fonte: Reuters)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:








ELÉTRICAS - (26/05/2017) - Porque está caindo? Será que é menor consumo? Acho difícil as notícias da economia melhorando.

"A carga de energia no Sistema Interligado Nacional (SIN) caiu 5,7 por cento em abril ante o mesmo mês do ano anterior e recuou 6,8 por cento em relação a março de 2017, informou nesta quinta-feira o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS)." (Fonte: Reuters)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:








COPEL - (16/05/2017) - Comunicando.

"A Companhia Paranaense de Energia (Copel) registrou um lucro líquido atribuído aos acionistas controladores de R$ 410,34 milhões no primeiro trimestre deste ano, montante mais de três vezes superior aos R$ 133,5 milhões anotados no mesmo período do ano passado.

A Companhia Paranaense de Energia (Copel) registrou um lucro líquido atribuído aos acionistas controladores de R$ 410,34 milhões no primeiro trimestre deste ano, montante mais de três vezes superior aos R$ 133,5 milhões anotados no mesmo período do ano passado.

Desconsiderando os efeitos não recorrentes do período, o Ebitda ajustado ficou em R$ 811,5 milhões entre janeiro e março, montante 51% superior ao registrado no mesmo período de 2016.

A receita operacional líquida da Copel totalizou R$ 3,297 bilhões nos três primeiros meses do ano, o que corresponde a um crescimento de 7% frente igual etapa de 2016.

O resultado de equivalência patrimonial, por sua vez, caiu 29,6%, para R$ 33,7 milhões, impacto da conversão de ações ordinárias em ações preferenciais de emissão da Sanepar e de titularidade da Dominó Holdings, que resultou na extinção do acordo de acionistas.

Já o resultado financeiro da estatal paranaense ficou negativo em R$ 156 milhões, número 6,5% menor que os R$ 166,89 milhões anotados no primeiro trimestre do ano passado." (Fonte: Exame)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:








ELÉTRICAS - (12/05/2017) - Comunicando.

"Segundo o jornal Valor Econômico, o governo Michel Temer prepara uma reforma do setor elétrico que muda critérios de habilitação dos consumidores livres, altera a forma de venda da energia produzida pela usina binacional de Itaipu e desmonta a espinha dorsal do plano adotado pela ex-presidente Dilma Rousseff para reduzir as contas de luz. As modificações fazem parte de uma medida provisória que deve ser levada para Temer até o fim de junho. " (Fonte: Infomoney)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:








COPEL - (10/05/2017) - Comunicando.

"A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou em reunião de diretoria nesta terça-feira os valores a que a elétrica Copel terá direito pela renovação antecipada de contratos de concessão de linhas de transmissão no final de 2012.

A diretoria homologou um valor de 667,6 milhões de reais para fins de indenização à Copel, referentes a ativos da companhia que ainda não tinham os investimentos totalmente amortizados quando da renovação dos contratos.

Na prática, no entanto, a indenização será maior, dado que os 667,6 milhões de reais foram contabilizados em valores de dezembro de 2012, ainda sujeitos a atualização." (Fonte: UOL)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:








ELÉTRICAS - (09/05/2017) - Comunicando.

"O déficit de geração hídrica (medido pelo fator GSF, na sigla em inglês) deve custar R$ 39,7 bilhões às companhias hidrelétricas neste ano, segundo projeções da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) as quais o Valor teve acesso. O montante é praticamente o dobro do custo do GSF de 2015, de cerca de R$ 20 bilhões.

Naquele ano, esse problema chegou a travar o mercado livre de energia e o governo precisou publicar a Medida Provisória (MP) 688, convertida na Lei 13.203 de 2015, que criou uma alternativa de "seguro" para o risco hidrológico. O problema não foi solucionado, pois não houve adesão das hidrelétricas contratadas no mercado livre. " (Fonte: Valor Econômico)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:








ELÉTRICAS - (08/05/2017) - Boa notícia para as empresas e seus sócios, ruim para os consumidores.

"O governo federal estuda alterar a forma de contratação da energia de uma série de hidrelétricas antigas cujos contratos de concessão foram renovados no início de 2013, desfazendo um processo comandado pela então presidente Dilma Rousseff, que tinha a intenção de reduzir as tarifas, mas que se mostrou ruim para empresas e consumidores.

A ideia em estudo é que a mudança nesses contratos em "regime de cotas", em que a tarifa cobre apenas custos de operação e manutenção das usinas, permita uma licitação da energia, que poderia ser revendida a preços maiores no mercado, disse à Reuters o secretário-executivo do Ministério de Minas e Energia, Paulo Pedrosa.

Os ganhos maiores sob o novo regime permitiriam a geração de um excedente de recursos para o operador da usina ou um eventual comprador, que poderia ser capturado pelo governo, com cobrança de bônus de outorga, por exemplo, para gerar uma significativa arrecadação." (Fonte: Reuters)







ELÉTRICAS - (08/05/2017) - Comunicando.

"Déficit de energia vai custar R$ 39 bilhões a hidrelétricas. Isso ocorre pela escassez de chuvas no país e, segundo reportagem no Valor Econômico, o montante é praticamente o dobro do curto ocorrido em 2015." (Fonte: Exame)







ELÉTRICAS - (28/04/2017) - Comunicando.

"O consumo de energia elétrica caiu 7,3 por cento entre os dias 1º e 25 de abril, ante o igual período do ano anterior. No mercado cativo, onde clientes são atendidos pelas distribuidoras, o consumo caiu 14,1 por cento. O mercado livre, por sua vez, teve alta de 15,5 por cento no consumo. A CCEE também apontou queda de 6,5 por cento na geração de energia elétrica no mesmo período." (Fonte: Reuters)







ELÉTRICAS - (25/04/2017) - Demanda bem elevada.

"O governo federal avaliou como um sucesso o leilão de concessões para construção de linhas de transmissão de eletricidade desta segunda-feira, que atraiu investidores para implementar 12,7 bilhões de reais em empreendimentos, e minimizou preocupações do mercado quanto à possibilidade de algumas empresas terem dificuldade para implementar os projetos devido aos agressivos descontos oferecidos na licitação.

A licitação teve um significativo deságio médio de 36,47 por cento em relação às receitas máximas oferecidas por cada projeto, segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Mas algumas empresas levaram lotes oferecendo um desconto de mais de 50 por cento." (Fonte: Reuters)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:








ELÉTRICAS - (20/04/2017) - Comunicando.

" O governo antecipou para as 8h30 da manhã da próxima segunda-feira o leilão de linhas de transmissão no qual serão oferecidos 35 lotes, com investimentos previstos de 13,1 bilhões, que estava antes previsto para começar às 10h do mesmo dia." (Fonte: Reuters)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:








ELÉTRICAS - (20/04/2017) - Positivo. Indício de recuperação.

"A carga (consumo mais perdas) de energia no Sistema Interligado Nacional (SIN) em março totalizou 68.918 megawatts (MW) médios, volume 2,5% superior em relação a igual período do ano passado. Na comparação com fevereiro deste ano, o consumo recuou 1,2%. E nos últimos 12 meses até março, o consumo foi 1,5% superior ante igual período anterior." (Fonte: Valor Econômico)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:








ELÉTRICAS - (19/04/2017) - Comunicando.

"A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou nesta terça-feira o aumento médio das tarifas da energia fornecida pela Companhia de Eletricidade do Estado da Bahia (Coelba), de 3%, pela Companhia Energética do Rio Grande do Norte (Cosern), de 3,38%, pela Energisa Sergipe, de 9,29%, e pela Companhia Energética do Ceará (Coelce), de 0,15%. Os reajustes valerão a partir do próximo sábado. " (Fonte: Valor Econômico)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:








ELÉTRICAS - (19/04/2017) - Comunicando.

"A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou nesta terça-feira o aumento médio das tarifas da energia fornecida pela Companhia de Eletricidade do Estado da Bahia (Coelba), de 3%, pela Companhia Energética do Rio Grande do Norte (Cosern), de 3,38%, pela Energisa Sergipe, de 9,29%, e pela Companhia Energética do Ceará (Coelce), de 0,15%. Os reajustes valerão a partir do próximo sábado. " (Fonte: Valor Econômico)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:








COPEL - (17/04/2017) - Com P/L de 8.5 e P/VPA de 0.5 (Fonte: Guiainvest), as ações NÃO estão caras, ENTRETANTO se olharmos os lucros trimestre a trimestre, detectamos que no 2º do ano passado (2016) houve um lucro anormalmente elevado e depois teve dois trimestres consecutivos de prejuízos. NÃO recomendo comprar ações da empresa.

"A estatal paranaense de energia Copel registrou lucro líquido de 947,8 milhões de reais em 2016, um recuo de 25,1 por cento ante o resultado do ano anterior, informou a companhia nesta terça-feira.

Com negócios em geração, transmissão e distribuição de eletricidade, além de telecomunicações e gás natural, a Copel apurou uma geração de caixa medida pelo lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) de 2,75 bilhões de reais, montante 1,8 por cento inferior ao registrado em 2015." (Fonte: Reuters)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:








ELÉTRICAS - (11/04/2017) - Comunicando.

"A juíza Daniele Maranhão Costa, da 5ª Vara do Tribunal Regional Federal da Primeira Região (TRF-1), no Distrito Federal, suspendeu nesta segunda-feira (10), em decisão liminar (provisória), a cobrança na tarifa de luz de parte da indenização que será paga às transmissoras de energia." (Fonte: G1)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:








ELÉTRICAS - (10/04/2017) - Comunicando.

"A chinesa Zhejiang Electric Power Construction (ZEPC) tem negociado a possibilidade de adquirir ao menos uma fatia na hidrelétrica de Belo Monte, no Pará, que quando concluída será uma das maiores do mundo, disseram à Reuters duas fontes com conhecimento do assunto.

A usina do rio Xingu, que receberá cerca de 35 bilhões de reais em investimentos, tem como principais acionistas a estatal federal Eletrobras, as elétricas Neoenergia, Cemig, Light, além da mineradora Vale e os fundos de pensão Petros e Funcef." (Fonte: Exame)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:








ELÉTRICAS - (10/04/2017) - Ruim para as empresas do setor.

"Justiça livra CSN de pagar indenizações das transmissoras de energia. Já havia um processo movido por grandes consumidores questionando o pagamento das indenizações, o que pode abrir um precedente e prejudicar a arrecadação da União e as próprias transmissoras." (Fonte: Exame)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:








ELÉTRICAS - (07/04/2017) - Comunicando.

"O consumo de energia no Brasil aumentou de 1,5 por cento em março, enquanto a geração subiu 1,7 por cento, de acordo com dados da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE)." (Fonte: Reuters)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:








ELÉTRICAS - (06/04/2017) - Comunicando.

"O governo federal deverá realizar até 30 de setembro leilão de concessões de hidrelétricas de 2017 que inclui quatro usinas operadas pela estatal mineira Cemig (CMIG4.SA: Cotações) cujos contratos venceram, de acordo com publicação do Diário Oficial da União desta quarta-feira." (Fonte: Reuters)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:








ELÉTRICAS - (05/04/2017) - Comunicando.

"O diretor-geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Romeu Rufino, disse nesta terça-feira (4) que a bandeira vermelha deve permanecer nas contas de luz até novembro. Na última sexta-feira (31), a agência acionou, para o mês de abril, o primeiro patamar da bandeira vermelha - que autorizou a cobrança adicional de R$ 3 a cada 100 quilowatts-hora (KWh) consumidos. O objetivo é financiar a operação de térmicas a gás, que são mais caras." (Fonte: Valor Econômico)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:








ELÉTRICAS - (04/04/2017) - Comunicando.

"A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) deve propor na terça-feira a criação de uma compensação financeira que seria paga a operadores de hidrelétricas quando suas usinas deixam de ser acionadas devido à importação de energia de outros países ou ao despacho de termelétricas por questões de segurança do sistema ou restrições elétricas." (Fonte: Reuters)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:








ELÉTRICAS - (30/03/2017) - Comunicando.

"Uma ação judicial de grandes indústrias contra indenizações bilionárias que serão pagas a elétricas a partir do segundo semestre deixou analistas em alerta para riscos na Eletrobras, que apresentou em 2016 o primeiro lucro após quatro anos ajudada principalmente pelo reconhecimento desses valores a receber.

As indenizações, devidas pela renovação de contratos de concessão no final de 2012, somam mais de 60 bilhões de reais a serem pagos em oito anos a transmissoras de energia, sendo que apenas a Eletrobras teve um efeito líquido de quase 19 bilhões de reais em seu balanço do ano passado ao contabilizar esses recebíveis." (Fonte: Reuters)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:








ELÉTRICAS - (29/03/2017) - Comunicando.

"A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) determinou nesta terça-feira (28) a devolução do valor cobrado indevidamente nas contas de luz em 2016, vinculado à usina termonuclear de Angra 3, em Angra dos Reis (RJ). O valor foi cobrado pelas distribuidoras ao longo do ano passado nas contas de luz pelo Encargo de Energia de Reserva (EER).

O valor a ser devolvido na fatura do mês de abril gira em torno de R$ 1 bilhão. Cálculo divulgado no início de março, no entanto, apontava um valor bem maior, em torno de R$ 1,8 bilhão. A diferença entre os dois valores, segundo a Aneel, se dá porque as distribuidoras suspenderam a cobrança antes do fim do ciclo tarifário, de 12 meses. No momento da devolução, as distribuidoras vão ter que corrigir os valores pela taxa Selic. " (Fonte: Valor Econômico)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:








ELÉTRICAS - (29/03/2017) - Comunicando.

"A indústria de cimento conseguiu uma liminar para evitar pagar parte dos subsídios embutidos na tarifa de energia e cobrados dos consumidores por meio de um encargo, segundo despacho da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) no Diário Oficial da União desta terça-feira, que autoriza o cumprimento da decisão judicial.

A nova briga nos tribunais soma-se a uma decisão anterior semelhante obtida por indústrias com grande consumo de eletricidade ligadas à associação Abrace, que tem entre os membros empresas como Dow e Braskem, entre outras." (Fonte: Reuters)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:








COPEL - (29/03/2017) - Comunicando.

"A estatal paranaense de energia Copel registrou lucro líquido de 947,8 milhões de reais em 2016, um recuo de 25,1 por cento ante o resultado do ano anterior, informou a companhia nesta terça-feira.

Com negócios em geração, transmissão e distribuição de eletricidade, além de telecomunicações e gás natural, a Copel apurou uma geração de caixa medida pelo lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) de 2,75 bilhões de reais, montante 1,8 por cento inferior ao registrado em 2015." (Fonte: Reuters)

Link para a matéria completa do jornal para ser lida:








ELÉTRICAS - (24/03/2017) - Comunicando.

"A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) pode autorizar que compensações devidas pela distribuidora de eletricidade goiana Celg-D a clientes devido ao descumprimento de metas de qualidade sejam convertidas em obrigações de investimento na empresa por sua nova controladora, a italiana Enel, segundo nota técnica vista pela Reuters.

Antes sob comando da estatal federal Eletrobras, a Celg-D teve a concessão arrematada pela Enel por cerca de 2,2 bilhões de reais em um leilão de privatização em novembro passado.

O pleito da Enel por alívio nas penalidades impostas à Celg-D vem em um momento em que o governo federal tem falado em flexibilizar condições para encontrar compradores para outras seis distribuidoras de energia que a Eletrobras pretende vender até o final deste ano." (Fonte: Reuters)







ELÉTRICAS - (21/03/2017) - Comunicando.

"O Ministério Público Federal e o Ministério Público Estadual de Rondônia obtiveram uma decisão judicial que suspende imediatamente a renovação da licença ambiental da hidrelétrica de Santo Antônio, uma das maiores do Brasil." (Fonte: Reuters)







ELÉTRICAS - (17/03/2017) - Comunicando.

"Grandes indústrias representadas pela associação Abrace entraram na Justiça nesta semana para questionar o repasse às tarifas de energia a partir do segundo semestre de mais de 60 bilhões de reais para pagar indenizações devidas pela União a empresas de transmissão de energia elétrica, disse nesta quinta-feira à Reuters o advogado responsável pela ação. A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou no final de fevereiro que a indenização seja paga a partir de julho por meio do aumento de um encargo cobrado nas contas de luz ao longo dos próximos oito anos." (Fonte: Reuters)







ELÉTRICAS - (13/03/2017) - Comunicando.

"Uma disputa bilionária poderá aliviar em parte o custo das contas de luz dos pequenos consumidores. Em 2015, um grupo de grandes clientes de energia conseguiu uma liminar na Justiça para não pagar parte de um encargo setorial. Depois de provocada pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) em fevereiro, na próxima semana a presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministra Laurita Vaz, deverá decidir sobre um pedido de suspensão dessa liminar. O potencial impacto da liminar sobre o setor é de R$ 1,8 bilhão, segundo a agência." (Fonte: O Globo)







ELÉTRICAS - (10/03/2017) - Comunicando.

"Três anos seguidos de chuvas abaixo da média na área das hidrelétricas do Brasil têm colocado em xeque a posição de absoluto predomínio dessas usinas na produção de eletricidade do país e pressionado as tarifas, que deverão subir neste ano para custear o acionamento de termelétricas, mais caras.

Dados da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) apontam que as hidrelétricas devem gerar em 2017 apenas 83,3 por cento de suas garantias físicas, cerca de 4 pontos percentuais abaixo do ano passado --o ideal é que as usinas sejam capazes de gerar perto de 100 por cento mesmo em anos críticos. A geração hídrica, que representa cerca de 60 por cento da capacidade elétrica do país, tem apresentado déficit desde 2014, com a produção tendo alcançado 87 por cento das garantias em 2016." (Fonte: Reuters)







ELÉTRICAS - (06/03/2017) - Se lembrarem do início do ano passado com a crise econômica e política, não comemorarão esta comparação.

"Os primeiros três meses de 2017 apontam alta no consumo de eletricidade do Brasil em relação ao ano anterior, em um desempenho puxado principalmente pela indústria, e com destaque para os segmentos de veículos e têxteis, de acordo com relatórios de instituições do setor nesta sexta-feira.

A EPE contabilizou uma alta de 2,8 por cento no consumo de energia elétrica em janeiro, enquanto dados prévios da CCEE apontam para uma elevação de 0,6 por cento em fevereiro." (Fonte: Reuters)







ELÉTRICAS - (06/03/2017) - Comunicando.

"O consumo de energia elétrica no Brasil em janeiro teve alta de 2,8 por cento ante o mesmo mês do ano passado, principalmente devido a uma maior demanda na indústria, disse a estatal Empresa de Pesquisa Energética (EPE) nesta sexta-feira.

De acordo com boletim da EPE, houve aumento no consumo em todas regiões, com destaque para Sul (5,5 por cento) e Sudeste (2,6 por cento).

Já a indústria "foi o principal motor da elevação no mês", com alta anual de 4,4 por cento, o que correspondeu a 50,7 por cento de toda a elevação no consumo ante janeiro passado." (Fonte: Reuters)







ELÉTRICAS - (01/03/2017) - Comunicando.

"As contas de luz no Brasil terão bandeira tarifária amarela no mês de março, com custo de 2 reais a cada 100 kWh, informou a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) nesta sexta-feira. Segundo a Aneel, no mês de março a previsão das vazões que chegam aos reservatórios das hidrelétricas ficou abaixo do esperado, o que levou à indicação de maior geração termelétrica a fim de preservar os níveis de armazenamento e garantir o atendimento." (Fonte: Reuters)







ELÉTRICAS - (24/02/2017) - Comunicando.

"O consumo de energia elétrica no Brasil subiu 1,5 por cento entre os dias 1º e 21 de fevereiro, na comparação com mesmo período do ano anterior, informou a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) nesta quinta-feira. No mercado cativo, onde clientes são atendidos pelas distribuidoras, o consumo caiu 4 por cento, influenciado pela migração de empresas desse setor para o mercado livre, onde grandes consumidores negociam contratos de suprimento diretamente com geradores e comercializadoras. O mercado livre, por sua vez, registrou aumento de 19,8 por cento no consumo no período, impactado justamente por essa movimentação de clientes provenientes do mercado cativo." (Fonte: Reuters)







ELÉTRICAS - (20/02/2017) - Comunicando.

"O ministro interino do Planejamento, Dyogo Oliveira, afirmou nesta sexta-feira que o governo está estudando privatizar neste ano seis distribuidoras de energia elétrica, entre elas, nos Estados do Amazonas, Rondônia e Roraima." (Fonte: Reuters)







ELÉTRICAS - (20/02/2017) - Comunicando.

"O consumo de energia elétrica no Brasil subiu 1,6 por cento entre os dias 1º e 14 de fevereiro, informou a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) nesta sexta-feira." (Fonte: Reuters)







ELÉTRICAS - (20/02/2017) - Comunicando.

"O ministro interino do Planejamento, Dyogo Oliveira, afirmou nesta sexta-feira que o governo está estudando privatizar neste ano seis distribuidoras de energia elétrica, entre elas, nos Estados do Amazonas, Rondônia e Roraima." (Fonte: Reuters)







ELÉTRICAS - (20/02/2017) - Comunicando.

"O consumo de energia elétrica no Brasil subiu 1,6 por cento entre os dias 1º e 14 de fevereiro, informou a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) nesta sexta-feira." (Fonte: Reuters)







ELÉTRICAS - (14/02/2017) - Comunicando.

"As elétricas Neoenergia e Cemig negaram nesta segunda-feira que estejam negociando suas fatias na usina de Belo Monte, em esclarecimento após notícia do jornal O Estado de S.Paulo." (Fonte: Reuters)







ELÉTRICAS - (08/02/2017) - Comunicando.

"A diretoria da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou em reunião nesta terça-feira uma proposta que prevê a transferência de ativos de transmissoras de eletricidade para empresas de distribuição, mas a mudança terá impacto sobre a receita das companhias de transmissão 70 por cento menor do que o regulador previa anteriormente.

Segundo a Aneel, a receita anual das instalações a serem repassadas às distribuidoras soma 29 milhões de reais, ante 96 milhões na segunda proposta e 628 milhões na primeira proposta. Em troca da transferência dos ativos, as transmissoras receberão 65 milhões de reais em indenizações, ante 70 milhões de reais estimados na proposta anterior e 1,5 bilhão de reais da primeira oferta feita pelo regulador." (Fonte: Reuters)







ELÉTRICAS - (08/02/2017) - Comunicando.

"A diretoria da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou em reunião nesta terça-feira uma redução para 13,9 bilhões de reais no orçamento de 2017 da Conta de Desenvolvimento Energético (CDE), fundo que banca subsídios embutidos na conta de eletricidade. No ano passado, o orçamento da CDE, que é parcialmente custeado por um encargo cobrado nas tarifas, foi de 18,29 bilhões de reais. A redução ocorre pela perspectiva de menor despensa com termelétricas, entre outros fatores. Com o corte nas despesas, o encargo cobrado nas tarifas de todos consumidores para custear os subsídios cairá de 11,85 bilhões de reais em 2016 para 8,2 bilhões neste ano." (Fonte: Reuters)







ELÉTRICAS - (27/01/2017) - Não será fácil para as elétricas.

"Indenizações bilionárias prometidas pelo governo federal a empresas de energia elétrica ainda no final de 2012, quando a então presidente Dilma Rousseff propôs uma série de medidas para reduzir as contas de luz, começaram a atrair a oposição da grande indústria e de consumidores. O pagamento será bancado por meio de um acréscimo nas contas de luz dos consumidores a partir do segundo semestre, o que foi autorizado nos últimos dias do governo da presidente Dilma, que já sofria processo de impeachment. No dia da definição sobre as indenizações, as ações da Cteep e da Eletrobras dispararam. A Associação Brasileira de Grandes Consumidores Industriais de Energia (Abrace), que tem entre os membros empresas como Braskem, Dow e Alcoa, pleiteia que a agência reveja os valores das indenizações, que considera muito elevadas." (Fonte: Reuters)







ELÉTRICAS - (13/01/2017) - Comunicando.

"O consumo de energia elétrica no Brasil subiu 0,4 por cento entre os dias 1º e 10 de janeiro na comparação com o início do mesmo mês no ano passado, informou nesta quinta-feira a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE). No mercado cativo, onde clientes são atendidos pelas distribuidoras, o consumo caiu 2,5 por cento , influenciado pela migração de empresas desse setor para o mercado livre de energia, no qual grandes consumidores negociam contratos de suprimento com geradores ou comercializadoras.No ambiente livre, por sua vez, houve alta de 10,3 por cento no consumo, com a adesão de mais empresas ao segmento." (Fonte: Reuters)







ELÉTRICAS - (10/01/2017) - Comunicando.

"A liquidação financeira do mercado de curto prazo de eletricidade referente a novembro no Brasil registrou 1,8 bilhão de reais não pagos, dos 2,48 bilhões contabilizados nas operações, disse nesta sexta-feira a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), conforme empresas conseguiram liminares para não quitar débitos ou ficaram inadimplentes.

A batalha judicial travada por alguns agentes para evitar perdas financeiras registradas em 2015, em meio a uma seca que gerou um déficit de produção nas hidrelétricas do país, tem levado as liquidações do mercado de energia a registrar elevados valores não pagos desde meados de 2015." (Fonte: Reuters)







ELÉTRICAS - (02/01/2017) - Indícios de que a situação econômica continua ruim.

"O consumo de energia elétrica no Brasil totalizou 38.645 gigawatts-hora em novembro, o que representa queda de 1,2 por cento ante o mesmo mês de 2015. O destaque foi no consumo da classe comercial, que registrou queda de 5 por cento. Nos setores residencial e industrial, o consumo ficou praticamente estável, com variação anual de 0,2 e 0,1 por cento, respectivamente. " (Fonte: Reuters)







ELÉTRICAS - (02/01/2017) - Comunicando.

"Um consumo de eletricidade ainda em retração no Brasil e previsões de início de retomada da atividade econômica apenas a partir de meados de 2017 derrubaram os preços da eletricidade no mercado livre, no qual grandes consumidores negociam contratos diretamente com usinas geradoras ou comercializadoras. De acordo com a consultoria Dcide, contratos trimestrais de energia convencional eram negociados no mercado livre nesta semana a 97,8 reais por megawatt-hora, queda de 28 por cento ante os 135,8 reais praticados no final de novembro. Já os contratos de longo prazo de energia convencional estão na casa dos 142 reais por megawatt-hora nesta semana, ante 152 reais ao fim de novembro --uma retração de 6,6 por cento." (Fonte: Reuters)







ELÉTRICAS - (30/12/2016) - Indícios de que a situação econômica continua ruim.

"O consumo de energia elétrica no Brasil totalizou 38.645 gigawatts-hora em novembro, o que representa queda de 1,2 por cento ante o mesmo mês de 2015. O destaque foi no consumo da classe comercial, que registrou queda de 5 por cento. Nos setores residencial e industrial, o consumo ficou praticamente estável, com variação anual de 0,2 e 0,1 por cento, respectivamente. " (Fonte: Reuters)







ELÉTRICAS - (23/12/2016) - Comunicando.

"O consumo de energia elétrica no Brasil caiu 2,6 por cento entre os dias 1º e 20 de dezembro, ante o mesmo período de 2015, informou nesta quinta-feira a Câmara de Comercialização de Energia (CCEE).O consumo no mercado cativo, no qual clientes são atendidos pelas grandes distribuidoras, registrou queda de 8,9 por cento, influenciado pela migração de clientes deste mercado para o ambiente livre." (Fonte: Reuters)







ELÉTRICAS - (19/12/2016) - Comunicando.

"Comercializadores de energia ingressaram com um pedido para que a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) reveja sua determinação para recálculo do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) para o mês de novembro e para as primeiras semanas de dezembro, argumentando que a decisão tumultuou o mercado e que isso pode levar a ações na Justiça. Mas, segundo especialistas do setor, é no mínimo "imprudente" uma decisão nesse sentido, de revisar preços utilizados em operações realizadas no passado, uma vez que afeta a confiança dos investidores." (Fonte: Reuters)







ELÉTRICAS - (19/12/2016) - Comunicando.

"Comercializadores de energia ingressaram com um pedido para que a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) reveja sua determinação para recálculo do Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) para o mês de novembro e para as primeiras semanas de dezembro, argumentando que a decisão tumultuou o mercado e que isso pode levar a ações na Justiça. Mas, segundo especialistas do setor, é no mínimo "imprudente" uma decisão nesse sentido, de revisar preços utilizados em operações realizadas no passado, uma vez que afeta a confiança dos investidores." (Fonte: Reuters)







ELÉTRICAS - (16/12/2016) - Crise continua.

"O consumo de energia elétrica no Brasil caiu 2 por cento entre os dias 1º e 13 de dezembro, ante o mesmo período de 2015, informou nesta quinta-feira a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE). O consumo no mercado cativo, no qual clientes são atendidos pelas grandes distribuidoras, registrou queda de 6,8 por cento, impactado pela migração de clientes deste mercado para o ambiente livre. No mercado livre, onde grandes consumidores compram energia diretamente dos fornecedores, houve aumento de 14,2 por cento, influenciado pela migração de novos clientes. Caso a migração dos clientes vindos do mercado cativo fosse desconsiderada, o mercado livre registraria queda de 4,1 por cento. A CCEE também indicou queda de 2,5 por cento na geração de energia elétrica para o período." (Fonte: Reuters)







ELÉTRICAS - (09/12/2016) - Pelo visto o país está devagar quase parando.

"O consumo de energia elétrica no Brasil caiu 3,2 por cento entre os dias 1º e 6 de dezembro, ante o mesmo período de 2015, informou nesta quinta-feira a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE).A CCEE também registrou queda de 3,3 por cento na geração de energia elétrica para o período." (Fonte: Reuters)







COPEL - (08/12/2016) - O P/L a princípio está ótimo em 5,3, mas o P/VPA por estar muito baixo em 0,5 (Fonte: Guiainvest) acende uma "luz amarela". Mesmo assim acredito que é interessante acompanhar o papel e comprar as ações em momentos de correção técnica sempre observando o STOP LOSSS.

"A Companhia Paranaense de Energia (Copel) reportou nesta quinta-feira prejuízo líquido de 75,1 milhões de reais, ante lucro de 91,4 milhões de reais no mesmo período do ano passado, devido a maiores despesas financeiras. O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) somou 427,7 milhões de reais, alta de 42,9 por cento na comparação com o mesmo período de 2015." (Fonte: Exame)







ELÉTRICAS - (28/11/2016) - Comunicando.

"A cotação da eletricidade no mercado de curto prazo medida pelo Preço de Liquidação de Diferenças (PLD) teve queda de 11 por cento ante a semana anterior em todas as regiões devido, principalmente, a uma revisão na carga para os meses de dezembro de 2016 e janeiro de 2017." (Fonte: Reuters)







ELÉTRICAS - (28/11/2016) - Para aqueles que estavam festejando o ENORME interesse nas empresas de energia brasileiras por parte dos chineses, devem ter ficado MUITO decepcionados.

"Houve apenas uma proposta entregue para o leilão da distribuidora de eletricidade Celg-D, da Eletrobras, cuja sessão presencial está agendada para 30 de novembro, disse à Reuters uma fonte com conhecimento do assunto nesta sexta-feira.Se confirmada a validade da proposta na sessão presencial, que acontece na BM&FBovespa, o leilão movimentará ao menos 1,79 bilhão de reais, dos quais no mínimo 913 milhões de reais irão para os cofres da Eletrobras e o restante para o governo de Goiás." (Fonte: Reuters)







ELÉTRICAS - (21/11/2016) - Comunicando.

"O presidente Michel Temer sancionou a lei procedente da Medida Provisória 735, que facilita privatizações no setor elétrico e autoriza o repasse de até 3,5 bilhões de reais em recursos do Tesouro para sanear estatais de energia da região Norte, incluindo distribuidoras do Grupo Eletrobras.

Houve vetos, no entanto, a alguns dispositivos da MP que haviam sido incluídos por parlamentares durante a tramitação do texto no Congresso, como um trecho que previa a possibilidade de redução nas punições por atraso em cronogramas de obras.

Também foram vetados trechos que previam a possibilidade de a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) manter contratos assinados por uma concessionária com fornecedores no caso de a empresa não entregar uma obra e ser preciso relicitar o empreendimento.

Também foi vetado um programa de modernização de termelétricas a carvão e um que previa incentivos a investimentos nas redes de distribuição de energia elétrica." (Fonte: Reuters)







ELÉTRICAS - (16/11/2016) - Notícia ruim para os sócios das empresas.

"A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) irá analisar em reunião de diretoria na quarta-feira uma proposta que prevê limites para que distribuidoras de eletricidade paguem dividendos ou juros sobre o capital próprio a acionistas quando as empresas estiverem abaixo das metas de qualidade do serviço estabelecidas pelo regulador. O mecanismo, que valeria para concessionárias que renovaram o contrato no final do ano passado e outras que venham a assinar aditivos contratuais, tem como objetivo incentivar as elétricas a reduzir índices que medem a frequência e a duração das interrupções no fornecimento de energia." (Fonte: Infomoney)







COPEL - (11/11/2016) - Comunicando.

"A Companhia Paranaense de Energia (Copel) reportou nesta quinta-feira prejuízo líquido de 75,1 milhões de reais, ante lucro de 91,4 milhões de reais no mesmo período do ano passado, devido a maiores despesas financeiras. O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) somou 427,7 milhões de reais, alta de 42,9 por cento na comparação com o mesmo período de 2015. " (Fonte: Exame)







ELÉTRICAS - (04/11/2016) - Notícia ruim.

"A indústria brasileira de energia eólica tem convivido com o fantasma do excesso de capacidade conforme o país reduziu a contratação de novas usinas em meio à crise econômica, o que gera apostas no mercado de que algumas empresas terão de fechar em breve suas unidades locais. Enquanto essas empresas somam entre 3,5 gigawatts e 4 gigawatts em capacidade anual de produção, o Brasil contratou apenas 1,2 gigawatt em novas usinas eólicas em 2015 e nenhum megawatt até o momento neste ano." (Fonte: Reuters)







COPEL - (04/11/2016) - Oferta de ações geralmente é PÉSSIMA notícia.

"Segundo reportagem da revista Exame citando executivos não identificados e envolvidos nas operações, BR Malls, CCR e Copel planejam novas ofertas de ações . A BR Malls deverá usar os recursos para reduzir sua dívida, enquanto a CCR pretende fazer investimentos. O governo do Paraná pretende vender parte de sua fatia na Copel, diz a revista. As companhias não comentaram. Outras cerca de 15 companhias pretendem abrir o capital nos próximos meses." (Fonte: Infomoney)







ELÉTRICAS - (31/10/2016) - Comunicando.

"A cotação da eletricidade no mercado de curto prazo medida pelo Preço de Liquidação de Diferenças (PLD) teve alta de 41 por cento ante a semana anterior em todas as regiões, principalmente devido a previsões de afluências abaixo da média para o mês de novembro, informou a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE)." (Fonte: Reuters)







ELÉTRICAS - (24/10/2016) - Comunicando.

"O diretor-geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Romeu Rufino, afirmou que o nível de subsídio existente no setor elétrico é “absolutamente insustentável”." (Fonte: Exame)







ELÉTRICAS - (20/10/2016) - Comunicando.

"O plenário do Senado aprovou nesta quarta-feira, 19, o texto base da Medida Provisória 735, que facilita privatizações do setor elétrico. Como a matéria perderia a validade no dia seguinte, os senadores optaram por aprovar o texto como veio da Câmara. Agora, os parlamentares analisam destaques ao projeto, que podem trazer modificações. O projeto prevê uma redução da cobrança da Conta de Desenvolvimento Energético (CDE) sobre as contas de luz de estados do Sul e Sudeste e abre caminho para a Eletrobras privatizar suas distribuidoras, com a renovação dos contratos dessas empresas. " (Fonte: IstoÉ)







ELÉTRICAS - (14/10/2016) - Nova crise hídrica? Isto afeta os setores de energia e de água / saneamento.

"Faltam dois dias para terminar a primeira quinzena de outubro e a chuva acumulada no mês no Sistema Alto Tietê foi de apenas 18,52% da média histórica para outubro. A média é de 114,5 mm e a pluviometria acumulada em outubro é de 21,2 mm." (Fonte: G1)







ELÉTRICAS - (14/10/2016) - Comunicando.

"O consumo de energia elétrica no Brasil caiu 3,9 por cento entre os dias 1º e 10 de outubro, na comparação com o mesmo período de 2015, informou nesta quinta-feira a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE)." (Fonte: Reuters)







ELÉTRICAS - (13/10/2016) - Comunicando.

"A Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira a Medida Provisória 735/16, que facilita privatizações e altera regras do setor elétrico, abrindo portas para que o governo possa viabilizar a venda de distribuidoras de energia da estatal federal Eletrobras. A MP também prevê a possibilidade de vendas de excedentes contratuais por distribuidoras de eletricidade e a redução de subsídios destinados a usinas eólicas e à biomassa." (Fonte: Reuters)







ELÉTRICAS - (11/10/2016) - Comunicando.

"A State Grid planeja criar uma nova empresa no Brasil para gerenciar seus ativos de distribuição após a compra da CPFL, segundo o Valor Econômico. A nova empresa pode englobar até a Celg D e outras distribuidoras da Eletrobras, se a State Grid for bem sucedida na aquisição destas empresas." (Fonte: Exame)







ELÉTRICAS - (11/10/2016) - Comunicando.

"A chinesa Three Gorges virou a maior geradora de energia privada do Brasil, segundo o Valor Econômico. A empresa virou dona de uma capacidade de geração de 8,27 gigawatts após a compra dos ativos da Duke Energy." (Fonte: Exame)







ELÉTRICAS - (06/10/2016) - Comunicando.

"A comissão especial criada para avaliar a Medida Provisória 735 aprovou nesta quarta-feira o relatório do deputado José Carlos Aleluia (DEM-BA) prevendo uma redução da cobrança da Conta de Desenvolvimento Energético (CDE) sobre as contas de luz. Pelo texto, será reduzido até 2030 o subsídio dado a regiões do Nordeste e Norte, com o fim da variação da cobrança conforme a localização do consumidor. A partir de 2017, esse modelo de cobrança vai migrando progressivamente até um novo sistema de cobrança da CDE conforme o volume de consumo. Para evitar uma cobrança excessiva do encargo sobre clientes de baixa renda, Aleluia incluiu em seu relatório previsão para que os benefícios da Tarifa Social de Energia Elétrica sejam isentos da cobrança da CDE." (Fonte: O Globo)







ELÉTRICAS - (05/10/2016) - Comunicando notícia ruim para o setor visto que os juros devem subir.

"Notícias que saíram ontem sugerem novas condições impostas pelo BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) quanto à sua participação nos novos leilões de transmissão. Agora, o BNDES nao irá mais usar a TJLP como referência e sim a custo de mercado, o que deve elevar os custos comprimindo os retornos, comentaramos analistas do BTG Pactual." (Fonte: Infomoney)







ELÉTRICAS - (02/09/2016) - Comunicando. "Os consumidores terão de pagar R$ 52 bilhões às empresas de energia nos próximos oito anos, o que indica uma alta de 5% nas tarifas, segundo cálculos da Abrace publicados pelo Valor Econômico. O valor se refere à indenização pela renovação antecipada das concessões, acertada entre o governo e as distribuidoras em 2012." (Fonte: Exame)







COPEL - (02/09/2016) - O lucro do trimestre subiu fortemente melhorando a rentabilidade apresentada aos sócios, o P/L se situa em 5,6 (Fonte: Guiainvest). Vale a pena acompanhar as ações para eventuais compras em momentos de forte correção técnica, MAS também temos de verificar se este incremento nos lucros são sustentáveis, ou foi um caso atípico.

"A Copel teve lucro líquido atribuível aos acionistas de R$ 992,9 milhões no segundo trimestre, 3,6 vezes maior do que o registrado no mesmo intervalo de 2015. A receita líquida da companhia somou R$ 3,7 bilhões no trimestre, queda de 5,5% na mesma base de comparação." (Fonte: Infomoney)







ELÉTRICAS - (30/08/2016) - Comunicando. "As empreiteiras Engevix e Queiroz Galvão têm enfrentado dificuldades na busca por compradores para seus ativos no setor de energia, segundo três fontes próximas às negociações e um documento oficial visto pela Reuters, em meio a investigações em andamento sobre as empresas e um cenário político ainda turbulento no país." (Fonte: Reuters))







ELÉTRICAS - (18/08/2016) - São MMMUUUIIITTTOOOSSSS vendedores de ativos no setor elétrico e somente os chineses querendo comprar alguns, NÃO é bom isto para as empresa que já atuam no mercado. "Em processo de desinvestimento para reduzir a dívida, a elétrica mineira Cemig está confiante no interesse dos investidores estrangeiros no Brasil, de acordo com o Valor Econômico. O diretor financeiro da empresa afirmou ao jornal que o cancelamento do leilão da Celg-D não representa falta de interesse estrangeiro no país." (Fonte: Exame)







ELÉTRICAS - (16/08/2016) - Comunicando. "A agência já concluiu o cálculo das indenizações devidas a outras quatro transmissoras que aderiram à MP 579. Para Furnas, o valor autorizado foi de R$ 8,999 bilhões; para a Chesf, R$ 5,092 bilhões; para a CTEEP, R$ 3,896 bilhões; e para a Eletrosul, R$ 1,007 bilhão." (Fonte: Exame)







ELÉTRICAS - (15/08/2016) - Comunicando. "O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, retomou a validade de uma liminar que protege pequenas hidrelétricas de parte das perdas financeiras decorrentes de uma menor produção de energia causada pela falta de chuvas, informou à Reuters a Abragel, associação que representa os operadores das usinas. A decisão complica os planos do governo de acabar com uma guerra judicial no mercado de energia que já dura mais de um ano e tem causado elevada inadimplência em liquidações financeiras realizadas pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), na qual são viabilizados pagamentos e recebimentos para diversas empresas de energia." (Fonte: Reuters)







COPEL - (12/08/2016) - Comunicando. "A Copel teve lucro líquido atribuível aos acionistas de R$ 992,9 milhões no segundo trimestre, 3,6 vezes maior do que o registrado no mesmo intervalo de 2015. A receita líquida da companhia somou R$ 3,7 bilhões no trimestre, queda de 5,5% na mesma base de comparação." (Fonte: Infomoney)







ELÉTRICAS - (05/08/2016) - Boa notícia para as distribuidoras. "As distribuidoras de energia não serão mais obrigadas a comprar energia que sabem que não vão precisar, apenas para evitar punições do governo. Um decreto publicado ontem flexibiliza normas e permite que as empresas adquiram apenas aquilo que for necessário para atender seus consumidores. A mudança não deve ter impacto na tarifa do consumidor, mas vai aliviar a situação dos acionistas das distribuidoras. Pela regra atual, toda vez que um contrato de energia existente vencia, a concessionária era obrigada a recontratar pelo menos 96% do volume no ano seguinte. Esse modelo foi elaborado em 2003, quando a perspectiva do governo era de crescimento do consumo de eletricidade. O problema dessa regra se manifesta em períodos de recessão e queda de demanda, como 2015 e 2016, quando a distribuidora tem de comprar mais energia do que precisa apenas para não ser punida." (Fonte: Estadão)







ELÉTRICAS - (19/07/2016) - Comunicando péssima notícia para as geradoras. "Uma liminar concedida a geradores de energia para limitar as perdas com a aplicação do déficit de geração hídrica foi suspensa pela ministra Laurita Vaz, vice-presidente e presidente em exercício do Superior Tribunal de Justiça (STJ), informou o Ministério de Minas e Energia nesta segunda-feira. Diversas decisões que protegem hidrelétricas de prejuízos causados pela seca dos últimos anos têm impactado o mercado de curto prazo de energia elétrica nos últimos 12 meses, o que causou níveis inéditos de inadimplência no período." (Fonte: Reuters)







ELÉTRICAS - (06/07/2016) - Demanda por compra de ativos do setor parece estar forte por parte da China. "A elétrica estatal chinesa China Three Gorges (CTG), que nos últimos anos investiu mais de 15 bilhões de reais em hidrelétricas no Brasil, prepara-se agora para em usinas eólicas e solares, afirmou à Reuters o presidente da companhia no país." (Fonte: Reuters)







ELÉTRICAS - (24/06/2016) - Boa notícia para o setor. "O governo interino de Michel Temer mudou as regras do setor elétrico por meio de Medida Provisória, em um movimento para tornar mais atrativa a privatização da Celg, de Goiás. O edital de privatização deve sair ainda hoje, segundo o Valor Econômico. A MP facilita a venda de distribuidoras estatais e muda a estrutura da Conta de Desenvolvimento Energético." (Fonte: Exame)







COPEL - (22/06/2016) - Comunicando. "A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou nesta terça-feira a aplicação de redução média de 12,87 por cento nas tarifas da paranaense Copel Distribuição, no âmbito do processo de revisão tarifária da empresa." (Fonte: Reuters)







ELÉTRICAS - (15/06/2016) - PÉSSIMA notícia para as empresas do setor. "A diretoria da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) apresentou nesta terça-feira proposta que pretende limitar a distribuição de dividendos e pagamento de juros sobre o capital próprio aos acionistas por distribuidoras de energia que descumprirem metas de melhoria na qualidade da prestação dos serviços. A proposta, válida para as elétricas que renovaram concessão em 2015, ficará em audiência pública entre 16 de junho e 18 de julho." (Fonte: Reuters)







COPEL - (07/06/2016) - Com P/L de 7,4 e P/VPA de 0,5 (Fonte: Guiainvest), além disto baixa alavancagem medida pela relação Dívida Bruta / Pat Líq de 14,2%, acredito ser interessante acompanhar o papel para eventuais compras em movimentos de correção técnica dos preços.

"A estatal paranaense de energia Copel apresentou lucro líquido de 136,1 milhões no primeiro trimestre, queda de 71 por cento na comparação anual, impactada por uma redução na demanda por energia e provisões, entre outros fatores, informou a companhia nesta quinta-feira. A elétrica, que possui negócios em geração e transmissão, além de ser responsável pela distribuição de energia no Paraná, reportou geração de caixa medida pelo lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) de 528,3 milhões de reais, o que representa queda de 36,7 por cento ante o primeiro trimestre de 2015." (Fonte: Reuters)







ELÉTRICAS - (02/06/2016) - Comunicando. "O Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE) determinou nesta quarta-feira o desligamento das usinas térmicas que se encontram em operação fora da ordem de mérito de custos nas regiões Sudeste, Centro-Oeste e Sul, a partir de 4 de junho, segundo comunicado do Ministério de Minas e Energia." (Fonte: Reuters)







ELÉTRICAS - (01/06/2016) - Comunicando. "O Senado aprovou nesta terça-feira medida provisória que prorrogou de 30 para 210 dias o prazo para distribuidoras de energia estatais do Norte e Nordeste renovarem seus contratos de concessão e concedeu benefícios às empresas, incluindo o uso de recursos do Tesouro para pagar dívidas de algumas delas com a Petrobras (PETR4.SA: Cotações). O novo prazo começou a contar em novembro do ano passado e vale para sete distribuidoras --Companhia de Eletricidade do Amapá (CEA), Companhia Energética de Alagoas (Ceal), Centrais Elétricas de Rondônia (Ceron), Companhia Energética do Piauí (Cepisa), Amazonas Distribuidora de Energia, Companhia de Eletricidade do Acre (Eletroacre) e Boa Vista Energia. Os contratos de concessão das companhias estão vencidos desde meados de 2015." (Fonte: Reuters)







ELÉTRICAS - (31/05/2016) - Uma boa notícia. "O consumo de eletricidade no sistema interligado do Brasil teve alta de 1,4 por cento em abril ante mesmo mês de 2015, informou nesta segunda-feira a estatal Empresa de Pesquisa Energética (EPE)." (Fonte: Reuters)







COPEL - (13/05/2016) - Comunicando. "A estatal paranaense de energia Copel apresentou lucro líquido de 136,1 milhões no primeiro trimestre, queda de 71 por cento na comparação anual, impactada por uma redução na demanda por energia e provisões, entre outros fatores, informou a companhia nesta quinta-feira. A elétrica, que possui negócios em geração e transmissão, além de ser responsável pela distribuição de energia no Paraná, reportou geração de caixa medida pelo lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) de 528,3 milhões de reais, o que representa queda de 36,7 por cento ante o primeiro trimestre de 2015." (Fonte: Reuters)







ELÉTRICAS - (05/05/2016) - Mais um problema para as empresas do setor. "O impacto com a sobra de energia nas distribuidoras pode somar entre R$ 7 bilhões e R$ 10 bilhões. A estimativa foi divulgada nesta quarta-feira, 4, pela analista da Fitch Ratings, Adriane Silva, que citou a sobrecontratação como um dos principais problemas que o setor elétrico enfrenta no momento. "Isso afeta o caixa das empresas, que ainda possuem bastante necessidade", disse, salientando que o setor demanda investimentos mesmo na atual condição de queda do consumo, em especial para a manutenção das instalações." (Fonte: Infomoney)







COPEL - (03/05/2016) - Comunicando. "A estatal paranaense Copel (CPLE6) apresentou redução de 4,3 por cento nas vendas de energia elétrica no mercado cativo no primeiro trimestre, na comparação com mesmo período do ano passado, informou a companhia em comunicado nesta segunda-feira. Segundo a empresa, as vendas de energia da distribuidora Copel-D totalizaram 6.016 gigawatts-hora no período, com a maior queda no segmento residencial (-6,1 por cento), seguido por clientes rurais (-5,7 por cento) e comércio (-5,4 por cento)." (Fonte: Infomoney)







COPEL - (20/04/2016) - Comunicando. "A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) sugeriu nesta terça-feira, em reunião de diretoria, redução nas tarifas da distribuidora de eletricidade Copel, que atende o Paraná, o que poderá representar queda de 9,7 por cento para consumidores residenciais e de 8,8 por cento para clientes industriais." (Fonte: Reuters)







ELÉTRICAS - (15/04/2016) - Setor MUITO endividado. "A dívida do setor de energia elétrica registrou crescimento de 13,5% em 2015 em relação a 2014, totalizando R$ 147,4 bilhões. É o maior valor registrado desde 2009, segundo estudo da Economatica sobre o desempenho de 24 empresas de energia elétrica entre 2009 e 2015, com base nos demonstrativos financeiros apresentados à Comissão de Valores Mobiliários (CVM)." (Fonte: Exame)







COPEL - (29/03/2016) - O papel está interessante com um P/L de 6,3 e um P/VPA de 0,5 (Fonte: Guiainvest), embora sua alavancagem (risco) esteja subindo, Dívida Bruta / Pat Líq (12/2013-35,1% , 12/2014-44,2% , 12/2015- 53,2%). Vale a pena comprar ações da empresa em um momento de correção técnica.

"A Copel teve lucro líquido de 402,1 milhões de reais no quarto trimestre, avanço de 46 por cento ante o mesmo trimestre do ano anterior, informou na noite de quinta-feira. A estatal paranaense, uma das maiores geradoras de eletricidade do Brasil, teve Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) de 957,9 milhões de reais no período, aumento de 77,3 por cento na mesma base de comparação." (Fonte: Reuters)







COPEL - (24/03/2016) - Notícia ruim. "A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) indicou uma redução média de 11,5 por cento para as tarifas da unidade de distribuição da estatal paranaense Copel no quarto ciclo de revisão tarifária da concessionária, afirmou a empresa em comunicado nesta quarta-feira." (Fonte: Reuters)







ELÉTRICAS - (18/03/2016) - Comunicando. "A estatal Eletrobras, a AES Eletropaulo e a Bandeirante, da EDP Energias do Brasil, aparecem entre as distribuidoras de energia elétrica que mais tiveram sobras contratuais de eletricidade em 2015, segundo levantamento feito por uma comercializadora a pedido da Reuters. " (Fonte: Reuters)







COPEL - (18/03/2016) - Comunicando. "A Copel teve lucro líquido de 402,1 milhões de reais no quarto trimestre, avanço de 46 por cento ante o mesmo trimestre do ano anterior, informou na noite de quinta-feira. A estatal paranaense, uma das maiores geradoras de eletricidade do Brasil, teve Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) de 957,9 milhões de reais no período, aumento de 77,3 por cento na mesma base de comparação." (Fonte: Reuters)







ELÉTRICAS - (16/03/2016) - Notícia ruim para as empresas do setor. "Consumidores e distribuidoras de energia elétrica do Brasil poderão dividir um prejuízo de 3,3 bilhões de reais com sobras de energia em 2016, conforme a recessão e o aumento das tarifas desde o ano passado reduziram o consumo e deixaram as concessionárias sobrecontratadas. As distribuidoras precisam comprar em leilões com anos de antecedência a energia para atender ao crescimento de seus mercados, o que fez com que fossem pegas no contrapé pelo recuo da demanda por energia em 2015 --o primeiro registrado no país desde 2009. "A distribuidora está comprando a cerca de 165 reais (pelos contratos firmados anteriormente)... se considerar que ela vá liquidar isso a um preço médio de 40 reais por megawatt-hora no ano, é muito dinheiro (perdido)", disse Santana. A legislação do setor elétrico prevê que sobrecontratações de até 105 por cento da demanda podem ter eventual custo repassado para o consumidor, sendo que a partir desse patamar o prejuízo é da distribuidora. " (Fonte: Reuters)







ELÉTRICAS - (10/03/2016) - Comunicando. "As distribuidoras de energia estão operando com 11% de sobra sobre a demanda do consumidor final, enquanto as geradoras enfrentam dificuldades como atrasos em obras e produção menor que a esperada. Segundo o jornal O Estado de S. Paulo, a situação inusitada se deve à recessão econômica no país. Para minimizar os prejuízos, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) estuda flexibilizar a negociação dos contratos entre geradoras e distribuidoras." (Fonte: Exame)

Mais notícias negativas para o setor. "Os preços de contratos no mercado livre de energia elétrica do Brasil, em que grandes consumidores podem negociar o suprimento diretamente com geradores e comercializadoras, chegam a ter queda de mais de 80 por cento nos últimos 12 meses, disse a consultoria especializada Dcide em boletim nesta quarta-feira. O patamar atual, o menor em quatro anos pressionado por uma recuperação das represas hidrelétricas, deixa pouco espaço para quedas adicionais apesar da fraqueza no consumo, afirmou à Reuters o diretor da consultoria, Patrick Hansesn." (Fonte: Reuters)







ELÉTRICAS - (01/03/2016) - Vale a pena ler para verificar os problemas do setor. "O governo vai acabar causando um blecaute financeiro no mercado de energia. A situação crítica é motivada pela retenção dos pagamentos de termelétricas que entraram em operação ou aumentaram sua produção ao longo do ano passado para compensar a crise hídrica. A dívida já chega à casa dos R$ 4 bilhões. Em janeiro, a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) - "paraestatal" que funciona como clearing de todos os acordos de compra e venda do insumo e é responsável pela compensação financeira dos contratos - não liberou um centavo sequer para as térmicas. Em fevereiro, quitou apenas 12% do valor devido. A próxima compensação de contratos está marcada para o dia 8 de março. Mas, entre as empresas do setor, a percepção é que a CCEE não vai realizar qualquer pagamento. Com isso, a bola de neve da inadimplência deverá subir para R$ 6 bilhões. Esta situação afeta 14 grupos da área geração, privados e estatais. Em termos absolutos, a maior prejudicada é a Petrobras, que tem a receber aproximadamente R$ 2,5 bilhões da CCEE. A estatal, aliás, é duplamente atingida, pois o passivo se transforma em um complicador aos planos de desmobilização de ativos da companhia, que busca sócios ou compradores para suas térmicas.

O impasse entre os agentes e a CCEE é resultado do imbróglio jurídico que se arrasta desde o ano passado. Na outra extremidade deste fio desencapado estão as usinas hidrelétricas. Elas vêm obtendo seguidas liminares para não pagar integralmente a energia comprada a pre- ços mais altos no mercado livre. A motivação da exigência foi a necessidade de honrar os acordos de fornecimento com as distribuidoras. As hidrelétricas alegam que não podem ser penalizadas por terem cumprido uma determinação do ONS para reduzir sua geração própria e, assim, preservar o nível dos reservatórios. Estão cobertas de razão, tanto quanto as térmicas, que compraram combustível, arcaram com os custos de ativação das usinas e agora não recebem pela energia despachada. O fato é que a reação das hidrelétricas provocou um efeito dominó. Sem receber destas empresas, a CCEE decidiu brecar o pagamento das térmicas com a justificativa de que não há recursos suficientes para compensar os contratos.

O curto-circuito no mercado de energia é o que poderia se chamar de um episódio kafkniano: o ONS que ordenou às hidrelétricas a redução da sua produção própria e a compra de energia no mercado livre é o mesmo que autorizou o despacho das térmicas. Por sua vez, a CCEE que cobra o calote parcial das hidrelétricas é a mesma que não paga às térmicas. No centro, o governo, que adotou um modelo tarifário prejudicial a todos os geradores, tenta convencer térmicas e hidrelétricas a engolir as perdas com a promessa de uma eventual compensação mais à frente. Já se sabe onde essa conta corre o risco de parar: debaixo da porta do consumidor." (Fonte: Relatório Reservado)







ELÉTRICAS - (26/02/2016) - Comunicando. "O ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga, anunciou que, a partir de 1.º de abril, as contas de luz de todo o País trarão a bandeira verde, o que significa que a cobrança extra pelo uso de energia termelétrica vai acabar. Com isso, os consumidores terão uma redução média de 6% a 6,5% na conta de luz, disse o diretor-geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Romeu Rufino." (Fonte: Estadão)







ELÉTRICAS - (15/02/2016) - O setor ainda está em crise? "A liquidação financeira do mercado de curto prazo de energia referente a outubro e novembro de 2015, concluída nesta sexta-feira, teve inadimplência de 60,97 por cento, informou a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), responsável pela operação que promove pagamentos e recebimentos entre empresas do setor. Dos 6,33 bilhões de reais envolvidos na liquidação, 2,47 bilhões foram quitados e 3,86 bilhões ficaram em aberto, sendo que a maior parte dos valores não pagos deve-se às liminares judiciais, disse a CCEE no documento com os resultados." (Fonte: Reuters)







ELÉTRICAS - (02/02/2016) - Comunicando. "O consumo de energia elétrica no País recuou 2,1% em 2015, em relação ao registrado em 2014, segundo os dados divulgados hoje pela Empresa de Pesquisa Energética (EPE). O consumo residencial teve decréscimo de 0,7% em 2015, a maior redução registrada desde 2004. Mas a queda no total do País foi puxada, sobretudo, pelas indústrias, que consumiram 5,3% menos energia do que no ano anterior. O segmento comercial foi o único a apresentar avanço no consumo de energia no ano passado, com alta de 0,6% em relação a 2014." (Fonte: IstoÉ)







ELÉTRICAS - (29/01/2016) - Comunicando. "A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) deverá colocar em audiência pública após o Carnaval uma proposta de parcelamento de débitos de hidrelétricas junto à Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) que estavam suspensos por liminares, afirmou o diretor Tiago Correia à Reuters nesta quinta-feira. O parcelamento, a princípio, contemplará todas usinas que aceitaram acordo proposto pelo governo federal para compensar parcialmente esses débitos, causados pela seca de 2015. Correia disse que a extensão do parcelamento às hidrelétricas que não aderiram ao acordo ainda poderá ser discutida, apesar de ressaltar que essa possibilidade não deverá constar na proposta que vai à audiência pública." (Fonte: Exame)

Comunicando. "O ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga, está comprando uma briga com as geradoras de energia eólica. Braga defende a redução dos subsídios para o setor. A justificativa é que a dosagem do benefício passou do ponto e começa a provocar distorções no preço da energia, dando às usinas eólicas vantagens artificiais sobre as termelétricas." (Fonte: Relatório Reservado)







ELÉTRICAS - (27/01/2016) - Comunicando. "A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) surpreendeu o mercado ao definir ontem novos valores da cobrança adicional do sistema de bandeiras tarifárias. Diante da recente melhora do cenário de chuvas e suspensão do despacho das térmicas mais caras, a agência resolveu cortar a cobrança adicional da bandeira vermelha em 33% e da amarela em 40%." (Fonte: http://www.valor.com.br - Valor Econômico)







ELÉTRICAS - (21/01/2016) - Comunicando. "O governo está no meio de uma queda de braço que afeta seus planos de fomentar uma temporada de sucesso nos leilões de concessões na área de infraestrutura. As companhias de transmissão pressionam o Ministério de Minas e Energia e a Aneel a mudar as regras do regime de indenizações instituído em 2015, uma contrapartida oferecida aos grupos que aceitaram renovar suas licenças antecipadamente. A Associação Brasileira das Empresas de Transmissão (Abrate) tem agido junto ao governo para que os pagamentos das indenizações sejam feitos no curto prazo. O presidente da Abrate, Mario Miranda, declarou ao RR que isso é fundamental para que as operadoras não sejam lesadas e possam fazer os investimentos obrigatórios e participar dos novos leilões.

O principal foco de atrito são os critérios empregados pela Aneel para contabilizar os ativos de cada companhia - base para o cálculo das compensações financeiras. A dispersão entre o que o Estado admite pagar e o que as empresas querem receber é razoavelmente grande. É o caso da CTEEP, controlada pela colombiana ISA. Em cima dos ativos não amortizados ou depreciados anteriores a maio de 2000, linha de corte estipulada pela Aneel, o governo comprometeu-se a pagar R$ 3,6 bilhões. Os colombianos, no entanto, alegam que a cifra correta passa dos R$ 5 bilhões. Outro exemplo de discordância: com base em laudo de avaliação dos seus ativos elaborado pela Deloitte Touche Tohmatsu, Furnas reivindica um ressarcimento de R$ 10,7 bilhões. O governo deve, não nega, mas diz que só paga R$ 9 bilhões. Outro ponto de fricção é o prazo de pagamento das indenizações. As empresas cobram que o desembolso seja feito integralmente neste ano, como rezava o acordo inicial. O Ministério de Minas e Energia, no entanto, já acenou com a possibilidade de diferir o pagamento em um período de dois a quatro anos.

As negociações entre as empresas de transmissão e o governo prometem ser tensas. Entre os investidores, há quem fale até mesmo em uma batalha jurídica. Talvez não seja para tanto. O que as gestões contêm é uma ameaça tácita das companhias de uma participação miúda no próximo leilão de transmissão da Aneel, o que não chega a ser uma novidade. As últimas quatro licitações foram um fracasso de bilheteria. Uma boa aposta é que o governo acabará cedendo para salvar as futuras concessões. Foi assim, por exemplo, no caso das licitações aeroportuárias: atendendo a um pleito dos investidores dispostos a entrar no setor, a participação obrigatória da Infraero foi eliminada." (Fonte: Relatório Reservado)







ELÉTRICAS - (19/01/2016) - Comunicando. "A maior parte das hidrelétricas do Brasil aceitou um acordo proposto pelo governo federal para compensar parcialmente perdas de faturamento com a seca em 2015, afirmou nesta segunda-feira o ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga, que estimou a adesão em cerca de 90 por cento das usinas envolvidas nas discussão." (Fonte: Reuters)












  Ricardo Borges Financial Training
+55 21 98655-8009 (somente de 11:00hs até às 18:00hs)
 Email - ricardoborges@ricardoborges.com
 
Anuncie Aqui I Consultoria I Conteúdos Sites I Cursos On Line I Política de Privacidade I Termos de Uso

Boletim diário Insider

Análises Ibovespa, dólar, DJIA, principais ações e as indicadas por nós.

Aperte aqui e saiba mais!!!

Notícias Comentadas

Principais notícias para quem quer acompanhar o mercado e manchetes dos jornais econômicos.
Aperte aqui e saiba mais!!!

apoia.se projecao.com

Ajude o projecao.com a manter e melhorar o grupo de debates.

Aperte aqui e saiba mais!!!

Fórum projecao.com

Debates em tempo real sobre investimento em ações e futuros na B3.

Venha participar!!!

 Anúncios projecao.com Apoie o projecao.com -> Aqui